F - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Juros futuros começam a semana em alta na BM F

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros começam a semana em alta, com os investidores reagindo aos dados do Boletim Focus, do Banco Central (BC). A projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2008 foi novamente reajustada para cima e os agentes não alteraram a previsão para a taxa Selic no encerramento do ano, mesmo depois de o Comitê de Política Monetária (Copom) ter acelerado o ritmo de ajuste de 0,5 ponto percentual para 0,75 ponto percentual.

Valor Online |

Na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010 subia 0,06 ponto, para 14,83%. Janeiro 2011 registrava ganho de 0,05 ponto, 14,56%. E janeiro 2012 apontava 14,12%, valorização de 0,01 ponto.

Na ponta curta, agosto de 2008 avançava 0,02 ponto, para 12,84%. O vencimento para setembro não registrava negócios. O DI para outubro de 2008 sinalizava 13,05%, elevação de 0,02 ponto. E o contrato com vencimento em janeiro de 2009 aumentava 0,01 ponto, para 13,69%.

Segundo o Banco Fator, ao manter a previsão para a Selic em 14,25% ao ano no encerramento de 2008, os agentes transmitem a visão de antecipação do ajuste monetário, não de elevação do patamar. Partindo dos 13% atuais, o aperto seria de mais 1,25 ponto percentual distribuído em três reuniões.

Para 2009, a estimativa para a taxa de juros subiu de 13,75% para 14%, o que, na avaliação do banco, reforça a idéia de alta antecipada e taxa em patamar elevado por maior tempo.

A mediana das expectativas aponta para IPCA em 6,58% no encerramento de 2008, saindo de 6,53% na semana anterior. Há 18 semanas consecutivas a projeção é ajustada para cima. Para 2009, a estimativa seguiu inalterada em 5%.

Os agentes também receberam hoje o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC), da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), que subiu 0,56% na terceira leitura de julho ante o 0,59% da medição anterior. No entanto o recuo foi menor do que o estimado. O IPC ficou acima da mediana das expectativas, que apontavam inflação de 0,52%.

Seguindo a ação mais dura do Banco Central (BC) brasileiro, o banco de investimentos Merrill Lynch, que acreditava em alta de 0,5 ponto na reunião da semana passada, ajustou suas estimativas para juros e crescimento.

Para o encerramento de 2008, a instituição prevê Selic em 14,5%, o que implica mais uma alta de 0,75 ponto em setembro e uma desaceleração no ritmo para 0,5 ponto em outubro e 0,25 ponto em dezembro. A aposta anterior era de Selic em 13,5% no final do ano.

Com essa alteração no ritmo, o banco estrangeiro acredita que um ambiente inflacionário mais estável e atividade mais fraca devem, de forma gradual, mudar o balanço de riscos em direção ao menor crescimento. Para esse ano, a previsão do Merrill Lynch para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) saiu de 4,9% para 4,8%.

Para 2009, o Merrill Lynch vê um afrouxamento monetário gradual a partir de junho, com a Selic recuando para 13,25% no final do ano. Mesmo com a essa redução na taxa básica, o banco acredita que o crescimento será prejudicado, com o PIB avançando 3,8%, contra previsão anterior de 4,2%.

Acreditamos que esse cenário será consistente com a convergência da inflação para as metas já no final do ano que vem , disse o Merrill Lynch em comunicado.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG