Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Juros futuros apontam para baixo refletindo menor preço das commodities

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros encerraram a terça-feira em forte baixa. Em dois dias, os vencimentos longos já devolveram cerca da metade dos prêmios acumulados na semana passada. Entres os motivos para a baixa estão: um movimento técnico de correção estimulado por dados de inflação melhores, mesmo que na margem; expectativas positivas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de junho, que será apresentado na quinta-feira; e o acentuado recuo no preço das commodities, em especial do petróleo, que caiu cerca de US$ 9 entre ontem e hoje.

Valor Online |

Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F), o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2009 apresentou queda de 0,09 ponto percentual, para 13,41%, anuais. O contrato com vencimento em janeiro de 2010, o mais negociado hoje, acabou com perda de 0,16 ponto, a 15,20% ao ano. O vencimento de janeiro 2011 também teve desvalorização de 0,16 ponto, para 15,39%, enquanto janeiro 2012 recuou 0,14 ponto, para 15,20%.

Na ponta curta, agosto de 2008 fechou com baixa de 0,01 ponto, projetando 12,31%. Setembro de 2008 perdeu 0,02 ponto percentual, apontando 12,54%, e outubro de 2008 encerrou com queda de 0,06 ponto, a 12,75%.

Até as 16h15, antes do ajuste final de posições, foram negociados 703.290 contratos, equivalentes a R$ 59,26 bilhões (US$ 36,94 bilhões), montante 34% maior que o registrado ontem. O vencimento de janeiro de 2010 foi o mais negociado, com 323.590 contratos, equivalente a R$ 26,19 bilhões (US$ 16,33 bilhões).

Para o sócio da Paraty Investimentos, Marco Franklin, a queda acentuada no preço das commodities, em especial do petróleo, faz com os juros futuros cedam. Não tem nada mais de especial para justificar esse movimento, afirma.

Segundo o especialista, no âmbito interno a inflação segue como ponto de preocupação e a atividade ainda se encontra em nível bastante alto.

De acordo com o especialista, como o caminho do Banco Central já está desenhado, ou seja, altas consecutivas de 0,5 ponto percentual na Selic, os vencimento mais curtos estão menos sensíveis a movimentos de mercado como os observados ontem e hoje. Já os vencimentos longos pegam com mais força essa expectativa de que a inflação de commodities vai arrefecer. Mas ainda é muito cedo para afirmar isso, pondera.

No entanto, Franklin ressalta que esse é um momento ruim para acontecer uma queda no preço das commodities, especialmente das agrícolas, pois é agora que o Brasil começa a plantar sua safra 2008/2009. Preços altos seriam interessantes para estimular os produtores a tomar risco e fazer uma safra maior em 2009, diz.

Por incrível que pareça, afirma o especialista, para termos inflação menor no ano que vem, as commodities agrícolas têm que estar em patamares elevados.

Preços em queda, agora, podem levar o país a viver o mesmo episódio do ano passado, quando os preços passaram a subir no final do ano e pegaram o começo de 2008.

O Tesouro Nacional realizou hoje a segunda etapa do leilão de Notas do Tesouro Nacional Série B (NTN-B) e também aconteceu resgate antecipado de NTN-Bs. As propostas serão tomadas das 12 horas às 13 horas.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG