Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Índice futuro sugere novo dia de baixa na Bovespa

SÃO PAULO - Seguindo a sinalização externa, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) deve registrar mais uma sessão de queda. A indicação vem do mercado futuro, onde o Ibovespa com vencimento em dezembro perdia 2,33%, para 37.

Valor Online |

600 pontos.

Novo dia de baixa também se desenha em Wall Street, onde persistem as preocupações com a retração da atividade econômica. A agenda do dia é pouco relevante com dados semanais sobre seguro desemprego e a produtividade do trabalhador no terceiro trimestre.

Por aqui, os investidores receberam a ata do Comitê de Política Monetária (Copom), que na semana passada optou por manter a Selic estável em 13,75% ao ano. No documento, o colegiado aponta que ainda enxerga riscos para o cenário prospectivo de inflação e apresenta preocupação com um persistente descompasso entre oferta e demanda.

Na Europa, a quinta-feira é de baixa, mas as vendas perderam força depois que o Banco da Inglaterra (BoE) surpreendeu os investidores cortando a taxa básica do país em 1,5 ponto percentual. Com isso, o custo do dinheiro no Reino Unido caiu de 4,5% para 3% ao ano.

Em Londres, o FTSE-100 apresentava queda de 1,67%, enquanto o Xetra-DAX, de Frankfurt, desvalorizava 2,80%. Pouco antes da decisão do BoE as quedas superavam 3,5%.

Ainda pela manhã, o Banco Central Europeu (BCE) apresenta sua decisão, a expectativa é de corte de 0,5 ponto percentual na taxa básica da zona do euro, para 3,25%.

De volta à Bovespa, a sessão de ontem foi de realização de lucros, depois que o índice acumulou alta de mais de 35% em seis pregões. O índice fechou o dia com perda de 6,13%, aos 37.785 pontos, com giro financeiro de R$ 4,53 bilhões. Em Wall Street as vendas também foram acentuadas, com Dow Jones e Nasdaq recuando 5,05% e 5,53%, respectivamente.

Na Ásia, a quinta-feira foi de perdas expressivas. Tóquio desvalorizou 6,53% e Seul caiu 7,56%. Na China, Hong Kong e Xangai perderam 7,08% e 2,44%, respectivamente.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG