F - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Em dia de poucos negócios, DIs apontam para baixo na BM F

SÃO PAULO - Depois de três dias seguidos de alta, os contratos de juros futuros longos voltaram a apontar para baixo na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F). No entanto, o ajuste é pouco significativo em função da baixa liquidez do mercado.

Valor Online |

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010, o mais negociado hoje, apontava baixa de 0,02 ponto, a 14,73% ao ano. O vencimento janeiro 2011 recuou 0,03 ponto, para 14,45%, e janeiro 2012 perdeu 0,01 ponto, para 14,19%.

Entre os contratos curtos, o vencimento para setembro de 2008 fechou estável a 12,84%. Outubro de 2008 subiu 0,01 ponto para 13,14%. Novembro de 2008 continuou precificando 13,33%, e o DI para janeiro de 2009 avançou 0,01 ponto, para 13,77% ao ano.

Até as 16h15, antes do ajuste final de posições, foram negociados 227.270 contratos, equivalentes a R$ 18,04 bilhões (US$ 11,38 bilhões), montante 39% menor que o registrado ontem e um dos menores do ano. O vencimento de janeiro de 2010 foi o mais negociado, com 128.930 contratos, equivalente a R$ 10,65 bilhões (US$ 6,57 bilhões).

Segundo o vice-presidente de tesouraria do Banco WestLB, Ures Folchini, três fatores influíram na formação da curva. O primeiro deles é a idéia de que esse nível de taxa precifica corretamente o ciclo de juros do Banco Central mais o prêmio de risco inerente ao mercado, o que limitaria a formação de apostas.

Os outros dois pontos, são a influencia do preço das commodities, mais notadamente do petróleo, e o comportamento do câmbio, que passou a ser acompanhando mais de perto depois da rodada de valorização do dólar ante o real.

A queda no preço do petróleo melhora a perspectiva inflacionária, mas a valorização do dólar tem efeito exatamente contrário. Para o especialista, a desvalorização do real começaria a ficar preocupante caso a taxa fique acima de R$ 1,65. Hoje o dólar oscila próximo de R$ 1,62.

Ainda de acordo com Folchini, a baixa liquidez observada ao longo da semana reflete a ausência de indicadores de peso e a distância até a reunião do Copom de setembro. Para o especialista, uma nova alta de 0,75 ponto percentual na Selic já está precificada, e as discussões se concentrariam agora na necessidade ou não de estender o ciclo de aperto monetário até janeiro de 2009.

Na gestão da dívida pública, o Tesouro Nacional realizou hoje leilão de venda de Letras do Tesouro Nacional (LTN) e Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F). De acordo com o resultado prévio foram colocadas 1 milhão de LTNs de um total de 1,5 milhão ofertadas, e todas as 1,15 milhão de NTN-Bs colocadas à disposição foram tomadas. As duas operações movimentaram R$ 1,03 bilhão.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG