SÃO PAULO - A instabilidade externa também se fez presente na formação da taxa de câmbio hoje. Depois de bater R$ 1,601 na máxima do dia, quando os temores sobre o setor financeiro norte-americano dominavam os negócios, o dólar caiu abaixo de R$ 1,59, registrando nova mínima em mais de nove anos.

Ao final da terça-feira, a moeda era negociada a R$ 1,585 na compra e R$ 1,587 na venda, queda de 0,37%. A cotação é a menor já registrada desde 19 de janeiro de 1999, quanto o dólar encerrou a R$ 1,558.

Na roda de pronto da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BMF), a moeda encerrou com baixa de 0,51%, também negociada a R$ 1,587. O volume financeiro somou US$ 494,25 milhões. O giro interbancário passou de US$ 3,8 bilhões.

Para o diretor de câmbio da Pioneer Corretora, João Medeiros, a direção da moeda norte-americana é uma só: para baixo.

O que garante esse fortalecimento do real, segundo o especialista, é o fluxo de divisa, que segue pesando para o lado positivo, impulsionado por fatores internos.

De acordo com Medeiros, há expectativa de grande entrada de recursos para a oferta de ações da Vale do Rio Doce. Dos cerca de US$ 15 bilhões que a companhia pretende levantar para financiar sua expansão, a expectativa é de que 40%, ou US$ 6 bilhões, venham de fora.

Além disso, os agentes aguardam para ver a posição de reservas do Banco Central. Ontem, teriam entrado mais de US$ 3 bilhões para Eike Batista, cifra referente ao pagamento da sua participação na MMX comprada pela Anglo American. O dinheiro, que veio por apenas um banco, teria sido tomado quase todo pelo BC no seu leilão de compra no mercado à vista. Se os recursos não foram totalmente absorvidos pela autoridade monetária, então haveria mais dólares sobrando no mercado.

Ainda de acordo com o analista, a fala do presidente do BC, Henrique Meirelles, que reafirmou que fará o que for necessário para garantir a meta de inflação de 2009, avaliza novas altas de juros, o que favorece o aumento e a continuidade das operações de arbitragem.

(Eduardo Campos | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.