Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Dólar sobe para R$ 1,646, maior valor desde 10 de junho

SÃO PAULO - A formação da taxa de câmbio continua acompanhando a sinalização do mercado externo, onde o dólar também subiu ante o euro e a libra, explica o gerente de câmbio da Fair Corretora, Mário Batistel. Nós fomos junto com a onda. Todas as moedas estão perdendo frente ao dólar.

Valor Online |

Ao final do pregão, o dólar comercial era negociado a R$ 1,644 na compra e R$ 1,646 na venda, alta de 0,67%. O valor de fechamento é o maior desde o dia 10 de junho.

No entanto, o especialista acredita que a formação da taxa, hoje, fica distorcida em função do baixo volume de negócios ocasionado pelo feriado do Dia do Trabalho nos EUA. O giro interbancário foi de apenas US$ 1,28 bilhão, contra os US$ 5,5 bilhões observados na sexta-feira.

Na roda de pronto da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F) a moeda fechou com valorização de 1%, também a R$ 1,646. O volume financeiro somou US$ 186,25 milhões.

De acordo com Batistel, a partir de amanhã, com o mercado externo voltando à normalidade, a taxa de câmbio deve refletir a alteração nas apostas dos investidores estrangeiros no mercado futuro.

Segundo o gerente, os estrangeiros já teriam desfeito todas as apostas contra o real e passaram a montar posições vendidas, ou seja, apostas de valorização da moeda brasileira. Amanhã poderemos ver esse movimento com mais clareza.

Para o gerente, a elevada taxa de juros no Brasil não sustenta as posições futuras contra o real, pois o diferencial de juros seguirá atraindo recursos externos para operações de renda fixa.

No entanto, ressalva o especialista, a depreciação do dólar não deve ser tão intensa quanto à observada desde o começo do ano, pois os saldos comerciais estão em tendência de baixa, enquanto o déficit em conta corrente continua aumentando.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG