SÃO PAULO - O dólar comercial opera com instabilidade nesta tarde, sem firmar trajetória. Apesar de ter sustentado desvalorização até pouco depois do almoço, neste momento a moeda já inverteu o rumo e registra alta.

Segundo agentes de mercado é grande a expectativa do mercado em relação ao leilão compromissado das reservas que o Banco Central (BC) fará logo mais, entre as 16h e 17h.

Instantes atrás, o dólar era cotado a R$ 2,126 para compra e R$ 2,128 para a venda, com alta de 0,37% em relação ao pregão anterior. Entre a mínima e a máxima, a moeda oscilou de R$ 2,082 a R$ 2,128, respectivamente.

Segundo João Medeiros, diretor de câmbio da Pionner, o segmento opera sem tendência, na espera pelo leilão. A transação, que envolve oferta de US$ 2 bilhões das reservas internacionais, tem prazo de seis meses e envolve o compromisso de que os tomadores façam o repasse dos recursos para linhas de exportações em 10 dias.

Assim, se a operação atrair os bancos, conforme espera o BC, a tendência da moeda americana será de queda. Já na hipótese de não haver a adesão esperada, a divisa pode voltar a avançar. Sem o dinheiro para dar crédito aos exportadores, a demanda por recursos continuará forte no mercado à vista, pressionando o preço do dólar.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.