SÃO PAULO - A moeda norte-americana registrou novo pregão de alta ante o real, mas a divisa continua abaixo do patamar de R$ 1,60.

Depois de cair a R$ 1,588 na mínima, o dólar comercial fechou o dia com alta de 0,18%, a R$ 1,597 na compra e R$ 1,599 na venda.

Na roda de pronto da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), a moeda encerrou com valorização de 0,19%, negociada a R$ 1,5995. O volume financeiro somou US$ 204 milhões. O giro interbancário ficou próximo de US$ 2,4 bilhões.

Segundo operadores de mesas de câmbio, a puxada de alta refletiu uma grande operação de saída realizada nos instantes finais do dia. No entanto, não foi possível identificar o comprador.

Durante quase toda a sessão, a moeda operou em baixa ante o real apesar das perdas acentuadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Teoricamente, em dias negativos na bolsa a moeda ganha valor, pois os investidores embolsam os lucros com ações e mandam o dinheiro para fora do país. No entanto o comportamento da divisa durante todo o pregão sinalizava que apesar da realização de lucros acentuada na bolsa, o dinheiro permanecia por aqui. Por essa razão, afirma um gerente de câmbio, só uma operação pontual explica o ganho de valor do dólar no final do pregão. Pode ter sido só uma operação, mas fica como a taxa de fechamento.

Em relatório, a NGO Corretora de câmbio lembra que, conforme se aproxima o final do mês, as remessas de lucros e dividendos se acentuam e que tal movimento pode ganhar corpo agora em julho, com as empresas remetendo os ganhos consolidados do primeiro semestre.

(Eduardo Campos | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.