Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Dólar cai 4,49% após ações do BC; Bovespa tem queda de 1,56%

SÃO PAULO - O clima de incerteza continua ganhando corpo nesta primeira etapa dos negócios no mercado doméstico. A Bolsa paulista, que já havia perdido mais de 10% ontem, abriu em queda e opera no vermelho desde então.

Valor Online |

O pessimismo no setor acionário não reverteu nem mesmo com a recuperação em Wall Street.

No segmento cambial, o Banco Central (BC) teve que intervir com força e mostra a disposição da autoridade monetária em conter distorções. Além de dois leilões à vista, um de swap cambial de US$ 1,462 bilhão e outro agendado para logo mais, a autoridade monetária avisou que está disposta a colocar até US$ 50 bilhões em swap cambial, a ser leiloados conforme a necessidade do mercado. Desde o início deste mês, o mercado já absorveu cerca de US$ 16 bilhões em contratos desse tipo.

A atuação serviu para inverter o rumo da moeda - depois de subir mais de 6% logo após a abertura, a divisa agora opera em baixa de 4,49%, comprada a R$ 2,2710 e vendida a R$ 2,2730. O preço, entretanto, está longe da mínima de R$ 2,2380 alcançada após o anúncio do programa de swap cambial. Na máxima, a divisa foi vendida a R$ 2,5240.

O Ibovespa registrava baixa de 1,56%, aos 34.521 pontos. O volume negociado está estreito, com R$ 1,084 bilhão até o momento, e os agentes acreditam que a tendência do índice está associada ao movimento das commodities, que se desvalorizaram muito nos últimos dias.

Além disso, o nível de insegurança dos investidores continua alto por conta da apreciação da moeda e o impacto disso para empresas nacionais posicionadas com derivativos, endividadas em dólar ou mesmo para aquelas que não estão com hedge (proteção) suficientemente para as elevadas variações da moeda.

Para o economista André Perfeito, da Gradual Corretora, a decisão do BC de anunciar o quanto está disposto a colocar no mercado é positiva. "E a medida vai de encontro ao que está sendo feito em outras economias do mundo", diz.

Já a decisão do governo de isentar investidores estrangeiros de IOF, publicada hoje, não teve grande efeito para as operações. Na avaliação de Perfeito, as zeragens de posição no mercado futuro continuam e o grau de aversão a risco é muito grande para reagir a tal isenção neste momento.

O pessimismo predomina hoje na Europa, onde há baixas de mais de 1% nos índices. Em Nova York, o rumo é indefinido e as variações são modestas. O Dow Jones subia 0,29%, o Standard & Poor´s 500 aumentava 0,13%, mas o eletrônico Nasdaq cedia 0,39%.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG