F após decisão do Copom - Home - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: DIs se ajustam na BM F após decisão do Copom

SÃO PAULO - Os contratos de Depósitos Interfinanceiros (DIs) negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F) registram ajustes distintos nas pontas de vencimentos de curto e longo prazo. Nos contratos de vencimento mais próximo, os prêmios diminuem tendo em vista a decisão unânime do BC de interromper o ciclo de alta da Selic, mantida agora em 13,75% ao ano.

Valor Online |

Já a ponta de longo prazo, ontem as taxas caíram bastante desde o início da semana, a trajetória é de alta. A análise do mercado é de que o aumento dos prêmios a partir dos contratos de 2010 tem a ver com a incerteza em relação às decisões futuras do BC.

Há pouco, o contrato para novembro de 2008 em queda de 0,13 ponto percentual, a 13,65%. Dezembro de 2008 marcava 13,69%, queda de 0,08 ponto. O DI para janeiro de 2009 era negociado a 13,80%, declínio de 0,03 ponto.

Na ponta longa, o contrato de DI com vencimento para janeiro de 2010 subia 0,26 ponto percentual, para 15,50%. Janeiro 2011 tinha aumento de 0,65 ponto, a 16,30%. E janeiro de 2012 apontava 16,60%, valorização de 0,59 ponto.

"O mercado quer saber quão momentânea é a parada do juro feita agora", diz Alexandre Horstmann, diretor de gestão da Meta Asset Managment. Segundo ele, é o tipo de resposta que os analistas e agentes buscarão na ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que será divulgada na próxima quinta-feira.

Para agentes do segmento, o fato de a decisão do colegiado ter sido unânime tem peso importante. Ela pode levar à conclusão de que, do ponto de vista da autoridade monetária, o Brasil pode estar de fato vulnerável à crise internacional. Ou seja, existe o risco de o país "importar" a desaceleração global.

Assim, com relaxamento do aperto monetário agora, a avaliação do mercado é de que a alta das taxas seja adiada para uma ponta mais distante na linha do tempo. Não só isso, mas o mercado entende que o aperto monetário a ser dado depois terá de ser mais forte para controlar pressões inflacionárias somadas no futuro. O Índice Geral de Preços de Mercados (IGP-M) de outubro, divulgado hoje pela FGV acelerou a alta para 0,98%, após elevação de 0,11% um mês antes.

Há também economistas que apostam em uma interrupção pontual, com retomada do ciclo de alta em dezembro ou mesmo no início do ano que vem. Até ter mais indicações sobre isso, o mercado altera as apostas nos contratos de longo prazo.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG