Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: DIs reduzem alta na reta final com ajuda do dólar

SÃO PAULO - As taxas dos Depósitos Interbancários (DIs) fecharam o pregão desta quinta-feira com trajetória incerta. Embora tenham subido com força durante quase todo o dia, ao final da jornada as taxas arrefeceram o movimento e algumas até chegaram a cair.

Valor Online |

Agentes de mercado afirmam que a trajetória sofreu influência da recuperação nas bolsas de Nova York. A desaceleração do dólar comercial no final do pregão também colaborou para diminuir a pressão sobre as taxas.

Ao final do pregão, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010, o mais negociado hoje, apontava alta de 0,03 ponto percentual, a 14,76% ao ano, depois de ter alcançado 14,89% ao ano durante o dia. O vencimento janeiro 2011 fechou com queda de 0,04 ponto percentual, a 15,17%. O vencimento de janeiro de 2012 projetava 15,63%, estável em relação ao pregão anterior.

Entre os curtos, o vencimento para novembro fechou em queda de 0,01 ponto percentual, para 13,70%. O contrato para dezembro subiu 0,05 ponto percentual para 13,87% ao ano. O DI para janeiro de 2009 encerrou com aumento de 002 ponto, para 13,94%.

Até as 16h30, antes do ajuste final de posições, foram negociados 402 mil contratos, equivalentes a R$ 33,93 bilhões (US$ 15,74 bilhões). O vencimento de janeiro de 2010 foi o mais negociado, com 121.600 contratos, equivalente a R$ 10,29 bilhões (US$ 4,78 bilhões).

No entendimento dos agentes, a pressão inicial de aumento das taxas estava relacionado com a preocupação com a inflação. O IGP-10 deste mês subiu 0,78% ante uma deflação de 0,42% em setembro. A preocupação é de que o BC volte a se ater ao controle de preços, o que poderia demandar novas altas de juros.

O comportamento do dólar, no entanto, foi um dos principais orientadores dos negócios na reta final. Depois de o BC voltar a atuar com leilões, a moeda desacelerou a alta, ajudada também pela recuperação das bolsas em Nova York, o que reduziu a tensão local também.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG