SÃO PAULO - Os contratos de Depósitos Interbancários (DIs) negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F) continuam em processo de ajuste de baixa das taxas. Analistas de mercado ponderam que o movimento ganha impulso com a queda do dólar, a redução do estresse no cenário externo desde ontem, e as apostas do mercado quanto à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que será conhecida amanhã.

Há pouco, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010 recuava 0,46 ponto percentual, para 16,12%. Janeiro 2011 tinha baixa de 0,54 ponto, a 17,06%. E janeiro 2012 apontava 17,55%, desvalorização de 0,50 ponto.

Na ponta curta, novembro de 2008 operava com pequeno ajuste de alta, de 0,01 ponto percentual a 13,77%. Dezembro de 2008 marcava 13,89%, queda de 0,05 ponto. O DI para janeiro de 2009 era negociado a 13,95%, declínio de 0,18 ponto.

As taxas dos contratos de juros respondem a um conjunto de fatores nesta jornada. Na ponta de longo prazo, onde operam mais estrangeiros, os agentes ponderam que a diminuição do nível de aversão a risco nos últimos dias permitiu uma correção dos prêmios, que estavam muito fora da realidade depois de terem passado por semanas de alta.

No curto prazo, o movimento dos prêmios continua mais associado ao comportamento do dólar, que é de baixa desde ontem, bem como às previsões em relação ao rumo da taxa Selic. O mercado ainda esta bem dividido sobre a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), a ser definido amanhã à noite.

A incerteza envolve a possibilidade de continuidade do ciclo de alta de juros, ainda que de menor porte, devido à pressão inflacionária deriva da da alta do preço do dólar. Também há apostas na manutenção da taxa, devido à perspectiva de desaceleração econômica global gerada pela crise financeira.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.