SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) supera a instabilidade observada no começo do dia e firma posição em território positivo, rumando para o terceiro pregão consecutivo de alta. Por volta das 12h50, o Ibovespa ganhava 1,14%, para 51.853 pontos, com giro financeiro em R$ 2,58 bilhões.

Segundo o gestor de renda variável da Umuarama Corretora, Rafael Moyses, os investidores voltaram a atuar na ponta compradora, acompanhando a retomada no preço das commodities e a conseqüente queda no preço do dólar.

Hoje, a moeda norte-americana cai forte ante o euro e a libra e passa a valer menos também ante o real. Depois de quatro dias de acentuada valorização, há pouco o dólar caía 2,03%, para R$ 1,781.

Além disso, o especialista acredita que as preocupações com o setor financeiro norte-americano começam a recuar conforme o governo atua para consolidar a venda do Lehman Brothers. A expectativa é que uma solução para o banco segue finalizada durante o final de semana.

Contribuindo para o tom positivo do dia, o Morgan Stanley reiterou a recomendação acima da média do mercado ( overweight ) para o Brasil. Na carteira do banco para mercados emergentes, o país aparece, agora, com a maior posição acima da média.

Segundo o especialista, há espaço para uma retomada maior no preço das commodities o que pode beneficiar a bolsa brasileira. No entanto, mais notícias positivas e investidores dispostos a tomar risco têm que surgir para sustentar uma tendência de alta. Analisando o Ibovespa graficamente, Moyses aponta que há uma resistência grande à alta nos 53.700 pontos.

Dentro do Ibovespa, as ações da Petrobras seguem ganhando valor de forma acentuada, reflexo ainda do tamanho das reservas do campo de Iara, que tem de 3 bilhões a 4 bilhões de barris de óleo e gás recuperáveis. Há pouco, o papel PN da estatal ganhava 3,34%, para R$ 32,45, e o ativo ON subia 3,25%, para R$ 39,99.

As ações PNA da Vale também operam em alta, revertendo as perdas registradas na abertura. O papel era negociado a R$ 37,04, valorização de 0,95%. Segundo os analistas do Morgan Stanley mesmo que não ocorra reajuste no preço do minério de ferro nos próximos dois anos e que o níquel não se recupere das perdas recentes, o preço justo da ação é superior ao atual.

Forte alta para o ativo ON da BM & FBovespa, que recupera parte das perdas acumuladas no mês, subindo 8,0%, para R$ 9,45. Bom desempenho também para o papel ON do Banco Nossa Caixa, que saia negociado a R$ 37,87%, com valorização de 5,78%.

As siderúrgicas também passam por recuperação. A ação ON da CSN puxa a fila ganhando 3,97%, para R$ 49,70. Gerdau PN subia 2,64%, para R$ 35,32, e Usiminas PNA avançava 1,32%, para R$ 45,20.

Na ponta vendedora, Telemar Norte Leste PNA caía 5,45%, para R$ 59,60, a ação passou a ser negociada, hoje, sem o direito ao dividendo especial. Baixas superiores a 2% para Duratex PN, B2W Varejo ON e AmBev PN.

Fora do índice, as ações do PN do Banco Sofisa desvalorizavam 12,73%, para R$ 5,0. Baixa acentuada também para o papel ON da construtora InPar, que cedia 6,77%, para R$ 2,20. Na ponta oposta, o papel ON da também construtora Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário subia 3,85%, para R$ 5,66.

(Eduardo Campos | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.