Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Bovespa sobe mais de 2% com destaque para Vale e Petrobras

SÃO PAULO - A valorização no preço das commodities e o dia positivo nas bolsas norte-americanas garantiram o primeiro pregão de alta em quatro dias para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O Ibovespa fechou a quarta-feira com valorização de 2,13%, aos 55.519 pontos. Mas o giro financeiro segue reduzido, apenas R$ 3,58 bilhões.

Valor Online |

Em Wall Street, a alta no preço do petróleo, reflexo de um furacão que ameaça a infra-estrutura petrolífera no Golfo do México, teve pouca influência sobre o humor do investidor. O que deu o tom dos negócios foi a alta acima do esperado nos pedidos por bens duráveis, que foi recebida como um sinal de melhora no ritmo de crescimento econômico. O Dow Jones encerrou o pregão com valorização de 0,79%, enquanto o Nasdaq ganhou 0,87%.

Segundo o assessor de investimento da Corretora Souza Barros, Luiz Roberto Monteiro, com o preço das matérias-primas indo para cima e a melhora de humor nas bolsas norte-americanas o mercado brasileiro recuperou parte das perdas de 2,81% acumuladas nos últimos três dias.

O grande problema segundo o especialista é o baixo volume financeiro, que denota a cautela do investidor frente a um cenário bastante preocupante, formado por uma crise financeira e temor de recessão na Europa e Japão. O horizonte ainda é complicado.

Observando o mercado graficamente, Monteiro afirma que o Ibovespa teve um fechamento positivo, hoje, e que o seu próximo objetivo de curto prazo é fechar acima dos 56 mil pontos. Confirmado o cenário de curto prazo, o índice passaria a buscar os 56.800 pontos.

Liderando os ganhos dentro do Ibovespa, o papel PNA da Vale subiu 4,02%, para R$ 38,50, e a ação PN da Petrobras avançou 2,95%, para R$ 35,20.

Os bancos também tiveram bom desempenho, com a ação ON do Banco do Brasil subindo 5,40%, para R$ 23,40. Bradesco PN ganhou 2,30%, para R$ 29,75, e as units do Unibanco subiram 2,70%, para R$ 19,36.

Entre as siderúrgicas, Gerdau PN avançou 2,34%, para R$ 29,68. Usiminas PNA subiu 2,49%, para R$ 55,50, e CSN ON teve alta de 2,77%, também para R$ 55,50.

Os papéis ON das construtoras Gafisa e Rossi subiram mais de 4% cada, para R$ 23,19 e R$ 10,50, respectivamente. Já a companheira de setor, a Tenda viu sua ação ON desabar 25,37%, para R$ 4,00. Bancos estrangeiros rebaixaram a recomendação do papel e o preço alvo da empresa teria caído de R$ 21, para R$ 7. Os analistas erram na previsão e quem paga a conta são os acionistas, disse um operador que prefere não se identificar. Ontem, o papel já tinha caído 14,24%.

Prejudicadas pela valorização no preço do petróleo, as ações das aéreas apontaram para baixo. TAM PN caiu 3,93%, para R$ 30,50, e Gol PN cedeu 1,33%, para R$ 13,99.

Forte alta e elevado volume para o ativo ON da BM & FBovespa, que subiu 9,68%, para R$ 12,12. A ação ON da administradora de shopping centers BrMalls ganhou 5,58%, para R$ 14,00.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG