Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Bovespa sobe 18,34% na semana, mas tomba 24,8% no mês

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) ensaiou uma recuperação no meio da tarde desta sexta-feira, mas não sustentou o movimento, retomando o território negativo na reta final do pregão, mesmo com o tom positivo em Wall Street. Ao final dos negócios, o Ibovespa apontou leve baixa de 0,51%, aos 37.256 pontos, com giro financeiro de R$ 4,773 bilhões.

Valor Online |

Da máxima à mínima o índice oscilou de 37.944 pontos a 35.858 pontos. Apesar da perda no dia, o índice conseguiu fechar a semana com valorização de 18,34%. Já no mês, classificado por muitos agentes como "infernal", a baixa foi de 24,80%, com perda de 41,68% no ano.

Segundo avaliação de Álvaro Bandeira, o resultado de hoje, embora negativo, tem como aspecto benéfico o fato de não ter havido uma venda maciça de papéis, com realização de lucros que puxassem o índice para baixas bem maiores, como se suspeitava no início do pregão.

Com os ganhos de mais de 20% nos últimos três dias, as expectativas hoje apontavam para uma forte realização de lucros. "Alguns papéis subiram mais de 60%, 40% nos últimos dias, então seria natural chamar uma realização, pois o pano de fundo ainda não é bom", diz Bandeira.

Também foi um motivo que puxou as vendas pela manhã o fato de a Vale ter anunciado uma redução da produção, devido à piora do cenário econômico. De fato, os papéis da empresa sofreram a maior parte do dia, mas inverteram o movimento no final e encerraram com ganho.

Em Wall Street, os índices resistiram em alta até o final, mas diminuíram bem o rimo nos últimos negócios. O índice Dow Jones subiu 1,57% e o Standard & Poor´s 500 ganhou 1,54%. O desempenho nos EUA também surpreendeu muitos agentes. Os dados divulgados hoje não foram bons, mas vieram em linha com as expectativas, ou seja, sem surpresa negativa.

A avaliação é de que os investidores resolveram ampliar um pouco os ganhos da semana, sem uma imensa realização. "Há um leitura positiva de que a crise financeira começa a ser domada e os mercados podem voltar a refazer preços dos ativos, que estão muito baixos", diz Bandeira.

Ele concorda que, do ponto de vista econômico, ainda há perspectivas desanimadoras de desaceleração e balanços complicados, mas ainda assim, há espaço para ajuste de cotações. Afinal, foi um período de grandes temores, em que os mercados se ajustaram de modo a enfrentar o pior cenário econômico em muitas décadas.

As ações ON da Vale conseguiram fechar com ganho de 2,15% (R$ 28,39) e Vale PNA avançou 0,79% (R$ 25,40). Os papéis da Petrobras também fecharam com ganho, de 1,77% no caso das ações ON (R$ 28,61), e de 2,01% nas ações PN (R$ 23,31). Já Bradesco PN caiu 3,05% (R$ 25,09) e BM & FBovespa encerrou em baixa de 4,79% (R$ 5,79).

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG