SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não sustenta os ganhos observados pela manhã e passa a operar em território negativo. Depois de subir 3,4% durante a manhã, por volta das 13h15 o Ibovespa recuava 1,25%, para 51.291 pontos, com giro financeiro em R$ 2,60 bilhões.

Segundo o diretor da Indusval Corretora, José Costa Gonçalves, a inversão de sinal na Bovespa mostra a fragilidade do mercado brasileiro, que não consegue sustentar os ganhos em meio a uma recuperação global das bolsas.

No começo do dia, os investidores reagiram com euforia ao noticiário externo do final de semana. Depois de meses de impasse, o governo norte-americano resolveu assumir as financeiras hipotecárias Freddie Mac e Fannie Mae, reduzindo parte da incerteza que paira sobre o setor imobiliário.

Na avaliação de Costa, a sinalização dada pelo Tesouro dos Estados Unidos é bastante positiva, pois aponta que o governo está disposto a resolver os problemas no setor imobiliário. Como a Freddie Mac e Fannie Mae são responsáveis por mais de US$ 5 trilhões em hipotecas, outras instituições financeiras também dependem delas. Portanto, o socorro às duas deve melhorar a liquidez como um todo. Mas a volatilidade deve seguir forte. Agora, temos que ver os resultados dessas medidas , avalia.

Em Wall Street, as compras também perderam força, mas o Dow Jones ainda registrava alta de 1,52%. Já a bolsa eletrônica Nasdaq recuava 0,22%.

A queda no preço das commodities no mercado externo também interfere sobre o pregão, atingindo as ações de maior peso dentro do Ibovespa. Há pouco, o ativo PN da Petrobras 1,50%, para R$ 31,38, e a ação PNA da Vale era negociada a R$ 35,54, perda de 1,63%.

O setor financeiro segura os ganhos do início do pregão. Há pouco, o papel PN do Bradesco subia 1,15%, para R$ 30,60. Itaú PN saía a R$ 31,05, com alta de 1,17% e Banco do Brasil ON valorizava 0,44%, para R$ 22,60.

Na ponta vendedora, as ações da Cesp refletem notícias desencontradas sobre o rumo da empresa, se será ou não privatizada e se terá suas principais concessões renovadas. Há pouco, o ativo PNB perdia 5,42%, para R$ 21,46.

Fora do índice, o ativo ON da Magnesita subia 3,80%, para R$ 18,27. A fabricante de material refratário utilizado por siderúrgicas e cimenteiras comprou a empresa alemã LWB e agora é a terceira maior do mundo no setor. O valor do negócio é de 657 milhões de euros.

No câmbio, o dólar volta a ganhar valor ante o real. Depois de cair mais de 1% e cair abaixo de R$ 1,70, há pouco, a divisa estrangeira valia R$ 1,739 na venda, alta de 1,10%.

(Eduardo Campos | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.