SÃO PAULO - Apesar de as bolsas de Nova York terem devolvido os ganhos de abertura e estarem operando em queda, a Bolsa de Valores de São Paulo continua no azul, embora tenha reduzido o ímpeto de alta. Instantes atrás, o Ibovespa registrava ganho de 2,25%, aos 39.

461 pontos, com giro financeiro de R$ 2,695 bilhões.

Depois de três dias amargando perdas mais pesadas do que as das bolsas estrangeiras, o mercado toma o dia para buscar oportunidades de compra. Ações que tinham sofrido muito com o pânico instalado na última segunda-feira voltaram a ficar atraentes depois que o quadro externo mostrou decisões importantes no sentido de estancar o estresse.

Luiz Gustavo Medina, sócio da M2 Investimentos, afirma que a decisão de corte global de juros, anunciada ontem pelos principais bancos centrais do mundo, é uma atitude importante. Embora tenha sido ignorada pelo mercado, a medida é relevante e estaria sendo subestimado pelos agentes financeiros.

"Acho que estão acontecendo coisas positivas para restaurar a confiança, que é o cerne da crise no momento", diz Medina. Ainda assim, há consenso entre analistas de que a volatilidade ainda comanda as operações, o que deve persistir por mais algum tempo.

No segmento cambial, a moeda reforça a trajetória de baixa desde cedo. Instantes atrás o Banco Central iniciou mais um leilão de swap. O resultado será conhecido às 13h15. Antes disso, a autoridade monetária já havia feito mais um leilão de moeda no mercado à vista.

A atuação garantiu a continuidade da depreciação da moeda, depois de forte apreciação da divisa desde o início da semana, provocada pela falta de liquidez no mercado. Há pouco a divisa era comprada a R$ 2,1960 e vendida a R$ 2,1980, com queda de 3,59%.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.