SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) deve registrar mais um pregão de baixa nesta terça-feira. A indicação de venda é dada pelo mercado futuro. O Ibovespa com vencimento em agosto caía 0,35%, para 59.390 pontos.

Dia de baixa também se configura em Nova York, onde os investidores acompanham o pronunciamento do presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Ben Bernanke. O ambiente de incerteza prevalece nos mercados de crédito e os investidores também mantêm certa cautela devido ao início da temporada de balanços do segundo trimestre. A Alcoa apresenta seus números após o encerramento dos negócios.

Bernanke falou que o Congresso terá que conceder maiores poderes para o Fed se quiser dar ao banco central o trabalho de limitar os efeitos de problemas financeiros no lado real da economia.

O presidente do Fed também falou que pretende estender os empréstimos de emergência para corretoras para além de 2008 para estabilizar o mercado. Pela regra atual, os empréstimos facilitados devem acabar em setembro.

Ainda na agenda do dia, serão apresentados o índice de vendas pendentes de casas e os estoques no atacado. O presidente o Fed de Richmond, Jeffrey Lacker, fala sobre o panorama econômico.

Na sessão de ontem, o Ibovespa não resistiu à instabilidade externa e fechou com baixa de 0,47%, aos 59.088 pontos, com giro financeiro em R$ 4,59 bilhões. Em Wall Street, o índice começou o dia em alta, mas o surgimento de problemas financeiros para as maiores provedoras de hipotecas dos EUA, a Freddie Mac e a Fannie Mae, mudou o humor dos investidores. Ao final do pregão, Dow Jones recuou 0,5%. O Nasdaq caiu 0,09%.

Depois dos ganhos no pregão de ontem, as bolsas da Europa se ajustam ao pessimismo dominante. Na Ásia, a terça-feira acabou com perdas em quase todos os principais mercados.

(Eduardo Campos | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.