Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Bovespa pode começar quarta-feira em baixa

SÃO PAULO - A quarta-feira pode começar de maneira negativa para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Tal indicação é dada pelo índice futuro, que sugere abertura de pregão em queda.

Valor Online |

Há pouco, o Ibovespa com vencimento em dezembro declinava 0,39%, aos 37.800 pontos, na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F).

Atenção para os papéis da Petrobras. Ontem, a estatal reportou lucro recorde de R$ 10,8 bilhões para o terceiro trimestre, um crescimento de 96% sobre período correspondente do ano passado.

Em Wall Street, os índices futuros operam sem rumo definido. O ambiente ainda é dominado por preocupações com a atividade econômica e saúde das instituições financeiras.

Sem indicadores na agenda, os norte-americanos aguardam o pronunciamento do secretário do Tesouro Henry Paulson, que fará uma atualização sobre o andamento do plano de resgate de US$ 700 bilhões anunciado para salvar o sistema financeiro.

Atenção também para as movimentações políticas, pois alguns senadores querem utilizar parte desses US$ 700 bilhões para salvar as montadoras Ford e GM.

Na Europa, os índices operam em alta, com destaque para o setor de telecomunicações e para as fabricantes de medicamentos.

Os Banco da Inglaterra (BoE) acenou hoje com a possibilidade de novas reduções de juros ao diminuir a previsão de crescimento e derrubar a expectativa de inflação para baixo da meta de 2%.

No segmento financeiro, o holandês ING Groep, que atua como banco e seguradora, reportou seu primeiro prejuízo trimestral da história.

De volta ao Brasil, na sessão de ontem, um movimento comprador de última hora garantiu fechamento no azul para a Bovespa. O índice subiu 1,32%, finalizando aos 37.261 pontos. O giro financeiro foi baixo, somando apenas R$ 3,35 bilhões.

Em Wall Street, depois de uma breve tentativa de recuperação, as vendas predominaram. O Dow Jones caiu 1,99% e o Nasdaq cedeu 2,22%.

Na Ásia, a quarta-feira acabou de forma negativa para a maioria dos mercados.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG