Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Bovespa piorou na reta final e caiu 6,5%; dólar cedeu 3,56%

SÃO PAULO - O clima das operações no mercado doméstico ontem foi ameno, com volume estreito. A exceção veio da bolsa paulista, que acentuou as perdas na meia hora final de transações, puxada por igual desempenho em Nova York.

Valor Online |

Já no segmento cambial e de juros, a trajetória foi de redução, com a ajuda do Banco Central (BC) e seus leilões.

No fim dos negócios, o principal índice da bolsa paulista caiu 6,50%, aos 29.435 pontos, na mínima do dia. Esse é o o menor patamar desde 28 de outubro de 2005 (29.318 pontos). O giro financeiro foi de R$ 3,244 bilhões, abaixo da média de R$ 4 bilhões verificada na semana passada. Em Nova York, o Dow Jones marcou queda de 2,42% e o Standard & Poor´s 500 apontou baixa de 3,18%.

O dólar comercial encerrou a R$ 2,242 na compra e R$ 2,244 na venda, com queda de 3,56%. Na mínima do dia, a moeda chegou a R$ 2,23. Na máxima, a R$ 2,322. O giro interbancário foi de US$ 3,535 bilhões. Na roda de dólar pronto da BM & F, o movimento foi de US$ 376 milhões. Lá, a moeda caiu 3,57%, para R$ 2,244 também.

Álvaro Bandeira, diretor da corretora Ágora, lembra que a preocupação e a tensão dos mercados ainda continuam. A apreensão com a recessão nos países desenvolvidos, sobretudo nos Estados Unidos, está impedindo que o mercado acionário se recupere.

"Em algum momento o mercado vai parando, os compradores vão sumindo e os vendedores começam a não querer vender mais tão barato", avalia Bandeira, para quem, no entanto, a melhora só chegará quando os efeitos dos planos internacionais de recuperação financeira começarem a sinalizar maior controle sobre o caos gerado pela crise.

Ontem, o alento para a calmaria durante a tarde veio com a alta surpreendente, de 2,7%, nas vendas de casas novas nos Estados Unidos em setembro. Isso não impediu, no entanto, que os investidores preferissem fechar o dia sem posições compradas em bolsa.

No encerramento dos negócios, Petrobras PN caiu 11,22% (R$ 18,11) e Petrobras ON cedeu 9,27% (R$ 22). Vale PNA caiu 8,20% (R$ 20,24) e Vale ON perdeu 9,38% (R$ 22,10). BM & FBovespa declinou 10,88% (R$ 4,01) e Bradesco ON cedeu 4,34% (19,14) mesmo tendo divulgado lucro de R$ 1,9 bilhão no último trimestre. Só encerraram com ganhos as ações PN da Net, com alta de 2,64% (R$ 11,66), e Lojas Renner ON, com avanço de 0,90% (R$ 16,69).

No segmento cambial, as operações do BC estão tendo mais efeito desde a última quinta-feira, quando a moeda caiu 3,15%. Naquele dia, a autoridade monetária informou que tem US$ 50 bilhões para colocar no mercado em swap cambial, caso seja preciso. O aviso deu mais tranqüilidade ao mercado. Como ontem as bolsas internacionais tiveram uma trégua na forte volatilidade ao longo da tarde, as ferramentas do BC tiveram mais efeito na cotação.

Para os contratos de juros negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F) a influência do dólar baixo colaborou para o recuo também das taxas dos DIs que, aliás, tiveram pequeno volume de negócios. O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010, o mais negociado, apontou baixa de 0,55 ponto percentual, a 16,47% ao ano. O contrato para janeiro de 2009, o mais líquido, encerrou com 0,39 ponto de baixa, a 14,05% ao ano.

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG