Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercados: Alta do dólar estimula correção nos DIs

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros não resistiram à acentuada valorização no preço do dólar e fecharam o pregão apontado para cima na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F). Enquanto a alta no preço da moeda estrangeira estava limitada, os vencimentos operavam estáveis ou apontavam leve queda, mas com a divisa testando R$ 2,40, a cautela falou mais alto.

Valor Online |

Ao final do pregão, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010 apontava alta de 0,06 ponto percentual, para 14,90%. Janeiro 2011 fechou com ganho de 0,16 ponto, para 15,63%, e janeiro 2012 apontava 15,81%, valorização de 0,12 ponto.

Na ponta curta, dezembro de 2008 marcava 13,32%, aumento de 0,02 ponto percentual. Já o DI para janeiro de 2009 fechou estável a 13,51%.

Até as 16h15, antes do ajuste final de posições, foram negociados 348.320 contratos, equivalentes a R$ 29,67 bilhões (US$ 13,03 bilhões), montante 47% menor que o observado ontem. O vencimento de janeiro de 2010 foi o mais negociado, com 155.920 contratos, equivalentes a R$ 13,37 bilhões (US$ 5,81 bilhões).

Segundo o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, a instabilidade seguirá pautando os negócios com as taxas de juros enquanto não existir uma clareza maior sobe qual será a postura do Banco Central quanto ao rumo da política monetária.

Agostini destaca que a tendência da curva é de baixa, mas movimentos como o de hoje são bastante factíveis, pois os agentes encontram espaço para ajustar as posições e reformular as apostas novamente. "É muito mais especulação do que fundamento", resume.

Para o economista, o mercado de juros futuros se antecipa a um evento que fica cada vez mais evidente: a necessidade de um corte na Selic.

O especialista também aponta que a desaceleração econômica mundial e a conseqüente baixa no preço das matérias-primas abre espaço para que o Banco Central fique menos preocupado com o comportamento da inflação.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG