O mercado financeiro reduziu pela terceira vez seguida a previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009 e agora projeta uma leve alta de 0,01% da economia brasileira este ano, segundo a pesquisa Focus, divulgada hoje pelo Banco Central. Na pesquisa anterior, divulgada na semana passada, o mercado estimava crescimento de 0,59% para a economia brasileira este ano e há um mês trabalhava com expansão de 1,5%.

Para 2010, os analistas ainda trabalham com uma recuperação da economia de 3,5%.

Para a produção industrial, o mercado aumentou o seu pessimismo e prevê queda de 2% este ano ante retração de 1,5% na semana passada. Essa é a quinta queda consecutiva na estimativa de produção industrial do mercado, que há um mês projetava expansão de 1,3%. Para 2010, pela quinta semana seguida, o mercado manteve a expectativa de alta de 4% para a produção industrial.

Inflação

O mercado financeiro trouxe para abaixo do centro da meta de 2009 a projeção de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano. Segundo a pesquisa Focus, a mediana das estimativas para o IPCA este ano caiu de 4,52% para 4,42%, portanto, abaixo do centro da meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para 2009, que é de 4,5%.

Foi a terceira queda seguida na projeção para o IPCA deste ano, que estava em 4,66% há quatro semanas. A última vez em que as estimativas para o IPCA em 2009 ficaram abaixo da meta foi em 9 de maio do ano passado.

Para 2010, o mercado manteve a previsão em 4,5%, no centro da meta para o ano que vem, pela 42ª semana consecutiva.

Juros

Com expectativas de inflação em queda e menor atividade econômica para este ano, o mercado também reduziu a previsão para a taxa básica de juros, a Selic, no fim de 2009, que passou de 9,75% para 9,25% anuais, de acordo com o levantamento divulgado hoje. Foi a segunda queda nessa projeção, que há quatro semanas estava em 10,38% ao ano.

Para o fim de 2010, o mercado continua trabalhando com a Selic em 9,75% anuais.

Câmbio

Em relação à taxa de câmbio, o mercado não revisou as projeções e trabalha com o dólar a R$ 2,30 tanto para o fim de 2009 como para o fim de 2010.

Contas externas

O mercado elevou a previsão de déficit em conta corrente (saldo de todas as transações do País com o exterior) este ano de US$ 24,5 bilhões para US$ 24,7 bilhões, segundo a pesquisa Focus.

Para 2010, a mediana das estimativas de saldo negativo na conta corrente foi mantida em US$ 26,19 bilhões.

Para a balança comercial brasileira, houve pequena alta nas perspectivas de superávit, que passou de US$ 13 bilhões para US$ 13,02 bilhões em 2009 e de US$ 13 bilhões para US$ 13,35 em 2010.

Em relação ao Investimento Estrangeiro Direto (IED), o mercado segue trabalhando com perspectiva de ingressos de US$ 22 bilhões em 2009 e de US$ 25 bilhões em 2010.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.