Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercado digere desemprego recorde nos EUA e Bovespa sobe

Por Aluísio Alves SÃO PAULO (Reuters) - A Bolsa de Valores de São Paulo acompanhou a surpreendente virada para cima de Wall Street e fechou a sexta-feira no azul, no dia em que os Estados Unidos anunciaram o maior aumento do desemprego em anos, na mais cabal evidência de que o país está entrando numa profunda recessão.

Reuters |

Depois de ter chegado a cair mais de 3 por cento, o Ibovespa virou completamente nos últimos minutos, chegando ao final da sessão em alta de 0,63 por cento, aos 35.347 pontos. Na semana, entretanto, o índice acumulou baixa de 3,4 por cento.

O giro financeiro do pregão foi de 3,58 bilhões de reais.

O indicador mais esperado da semana, o do mercado de trabalho nos Estados Unidos, trouxe dados aterradores. O país cortou 533 mil empregos em novembro, o pior número em 34 anos, o que levou a taxa de desemprego aumentou para 6,7 por cento, o maior patamar desde 1993.

A reviravolta acompanhou o movimento de Wall Street, que também passou a operar no azul no final da tarde, mesmo que essa tendência não tenha sido lastreada por outros segmentos, como o de commodities. O barril do petróleo caiu para a faixa de 40 dólares, o menor nível em quatro anos.

Para profissionais do mercado, a reversão no mercado acionário teve alguns componentes externos e domésticos. Em Wall Street, os investidores repercutiram positivamente a notícia de que o grupo financeiro e segurador Hartford elevou sua projeção de lucro em 2008.

"Além disso, parte do mercado alimentava a expectativa de algum plano de ajuda às montadoras americanas possa ser anunciado neste final de semana", disse Ernesto Leme, diretor da Claritas Wealth Management.

No plano doméstico, a boa notícia foi o anúncio de que a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) desacelerou para 0,36 por cento em novembro, contrariando analistas que esperavam aceleração do índice, que subira 0,45 por cento em outubro.

"Isso aumentou expectativas de que o Banco Central reduza a Selic já no início de 2009", disse Leme. A diretoria do BC reúne-se na semana que vem para definir o rumo da taxa básica, hoje em 13,75 por cento ao ano. Para esse encontro, a expectativa do mercado é de que o juro seja mantido.

Esse cenário reforçou a revoada dos investidores das ações de empresas ligadas a commodities, que tendem a sofrer mais com a recessão global, em direção a papéis de companhias ligadas ao mercado doméstico, como bancos e varejistas.

Assim, de um lado produtoras de matérias-primas mais uma vez naufragaram. Petrobras caiu 2,37 por cento, a 18,16 reais. Vale perdeu 2,1 por cento, a 21,50 reais.

De outro, B2W disparou 8,8 por cento, a 22,35 reais, enquanto Banco do Brasil deu um salto de 7,9 por cento, avaliada em 15,75 reais.

ESTRANGEIROS

De acordo com números da Bovespa, o saldo das transações realizadas por investidores estrangeiros no mercado acionário doméstico ficou negativo em 2,94 bilhões de reais apenas nos primeiros dois dias de dezembro.

Durante todo o mês de novembro, a saída líquida foi de 1,16 bilhões de reais.

(Edição de Vanessa Stelzer)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG