Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercado de gás natural liquidificado crescerá 8% ao ano até 2020

Madri, 2 jul (EFE).- O mercado de gás natural liquidificado (GNL) manterá um ritmo anual de crescimento de 8% até 2020, e será cada vez mais global, afirmou hoje o presidente da companhia estatal argelina Sonatrach, Mohammed Meziane.

EFE |

Durante seu discurso em uma das sessões plenárias do XIX Congresso Mundial do Petróleo, Meziane destacou que o gás natural (tanto liquidificado como por gasoduto) já cobre um quarto das necessidades de energia do mundo, e seu crescimento futuro situa o setor em uma "encruzilhada" entre regionalização e globalização.

O presidente da companhia estatal argelina, proprietária de uma das maiores reservas de gás do mundo, ressaltou a necessidade de substituir o "modelo clássico", baseado em contratos a longo prazo, que atualmente representam 80% do mercado, por outro "mais flexível", no qual ganhem peso os contratos a curto prazo.

Além disso, destacou que o aumento do preço do gás nos últimos anos pela forte demanda favoreceu a construção de mais infra-estrutura -unidades de regaseificação e gasodutos-, o que aumentou a concorrência no setor.

As unidades de regaseificação permitem enviar em navios a matéria-prima aos lugares onde melhor se pague, sem depender da existência de gasodutos.

Apesar das perspectivas favoráveis (a produção de GNL praticamente duplicará entre 2007 e 2020), o presidente da Sonatrach alertou para os riscos inerentes aos grandes investimentos necessários para pôr no mercado os elevados volumes de gás previstos, assim como para a volatilidade dos preços.

No mesmo ato, a diretora da área de gás da Shell, Linda Cook, assegurou que o gás natural é "o protagonista favorito" do novo esquema energético mundial, marcado pelo crescente aumento da demanda e as maiores exigências ambientais.

Perante estas mudanças, Cook reivindicou aos Governos dos países produtores marcos de investimento estáveis; o desenvolvimento de uma legislação internacional sobre o comércio de CO2 e uma aposta firme em tecnologias e políticas de eficiência energética.

Segundo assinalou, até 2030 a UE importará 75% do gás que consumir, contra os 45% atuais, devido ao aumento da demanda e ao esgotamento das reservas na Europa.

O presidente da companhia norueguesa StatoilHydro, Helge Lund, afirmou que as usinas de geração de eletricidade com gás natural "são uma opção excelente" para reduzir as emissões de CO2 e cumprir os objetivos ambientais estabelecidos pela UE.

Quanto à possível criação de uma organização semelhante à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para o gás natural, Meziane disse que "não é nada fácil", e emoldurou as conversas entre países produtores dentro de sua preocupação com "a coordenação, estabilização e desenvolvimento" do mercado. EFE eco/gs

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG