Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mercado acionário dos EUA parou ontem à espera da eleição

SÃO PAULO - As bolsas de valores americanas fecharam perto da estabilidade, com investidores buscando pechinchas após sinais de mais descongelamento dos mercados de crédito, mas eles preferiram não realizar fortes apostas antes das eleições presidenciais de hoje. O índice Dow Jones teve leve baixa de 0,06%, a 9.319 pontos.

Valor Online |

O Standard & Poor´s 500 caiu 0,25%, a 966 pontos. O Nasdaq avançou 0,31%, a 1.726 pontos.

Investidores cautelosos preferiram ficar de lado à medida que estavam relutantes em comprar ações em quantias significativas antes da eleição que pode ter um papel fundamental na direção do mercado nos próximos anos.

As perdas foram ofuscadas pela queda nas taxas de empréstimos de curto prazo interbancárias nesta segunda-feira, que ampliaram a baixa da última semana em resposta às medidas do banco central para fornecer capital às instituições financeiras.

As companhias de telefonia Verizon e AT & T subiram após o Wachovia afirmar que as firmas são refúgios seguros em uma desaceleração econômica. A Verizon subiu 3,6%. A AT & T avançou 3,9%.

As ações européias fecharam em alta pelo quinto dia seguido, à medida que a valorização de ações de empresas de serviços públicos, farmacêuticas e de alimentos contrabalançaram as perdas da Volkswagen e um declínio no setor bancário.

O índice europeu das principais ações do continente FTSEurofirst 300 fechou o dia em alta de 0,53%, a 933 pontos. O índice perdeu 12,7% no último mês, no seu pior desempenho mensal em seis anos, com a crise do mercado de crédito que levou ao derretimento do setor bancário e à desaceleração da economia.

Na segunda-feira, a empresa de serviços públicos E.ON teve aumento de 7,1%, enquanto o grupo alimentício Nestlé subiu 2,04%.

Em Londres, o índice Financial Times subiu 1,51%, a 4.443 pontos. O DAX, de Frankfurt, avançou 0,78%, para 5.026 pontos. Houve elevação de 1,17% em Paris, 1,52% em Milão, 1,27% em Madri e 3,36% em Lisboa.

(Valor Econômico, com agências internacionais)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG