Tamanho do texto

SÃO PAULO - O senador Aloizio Mercadante (PT) consolida cada vez mais seu nome para concorrer ao governo de São Paulo nas eleições de outubro. Em encontro com partidos que fazem oposição ao governador paulista, José Serra (PSDB), Mercadante garantiu o apoio a sua candidatura de cinco siglas (PDT, PC do B, PR, PRB e PPL).

Há ainda negociações em andamento com PTdoB, PRP, PTC, PSL e PTN. "Foi uma reunião muito positiva. Os partidos afirmaram que fecham conosco se o candidato for mesmo o senador", disse o presidente estadual do PT, Edinho Silva.

Essa possibilidade enterra de uma vez por todas as chances do deputado Ciro Gomes (PSB-CE) entrar na corrida ao Palácio dos Bandeirantes como o apoio dos petistas.

O PSB não participou do encontro, mas Edinho negou divergências com os aliados. "Conversei ontem com o deputado Márcio França (presidente estadual do PSB) e vamos manter o espaço para o diálogo", afirmou.

A relação entre as duas legendas ficou estremecida depois que Ciro classificou o PT estadual de desastre, o que tornou inviável sua candidatura.

"O nome de Mercadante já virou consenso entre aqueles que querem um projeto alternativo", acrescentou Edinho. Segundo ele, o PT ainda não cogitou a hipótese de acomodar os socialistas na vice. "Não chegamos a debater esse assunto em respeito as pretensões do Paulo Skaf (presidente da Fiesp) de encabeçar uma chapa".

Na semana passada, o deputado Paulo Pereira da Silva, presidente estadual do PDT, tinha dito que esperava para o partido o posto de vice em troca do apoio à Mercadante.

"O PDT tem lideranças com condições de reivindicar a vaga, mas vamos definir a questão no momento certo, ouvindo todos os atores envolvidos", frisou Edinho.

O presidente estadual do PT também descartou qualquer possibilidade de prévias para a escolha do candidato petista na sucessão estadual. O senador Eduardo Suplicy (PT) já manifestou o interesse em disputar o governo paulista.

"Conversei com o Suplicy e ele disse que está empenhado em construir a unidade. Na segunda-feira, está previsto um encontro da executiva e ele estará presente. Vamos dialogar novamente", disse.

(Fernando Taquari | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.