Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Meirelles: recomendação a todos é política anticíclica

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou hoje que a recomendação para todos os países enfrentarem a crise financeira internacional é a realização de políticas anticíclica, fiscal e de liquidez. Todos temos que trabalhar juntos? Sim, todos temos que fazer política anticíclica? Sim, afirmou, durante o seminário Atitudes Positivas para Enfrentar a Crise, realizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide) e pela Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap), com apoio do jornal O Estado de S.

Agência Estado |

Paulo.

Durante o discurso, Meirelles foi ainda mais enfático em relação a esta questão. "A recomendação para todos é essa: política anticíclica? Sim. Política fiscal? Sim. Política de liquidez? Sim."

Meirelles voltou a comentar o anúncio do pacote da China de US$ 586 bilhões, anunciado no domingo (dia 9), para combater a crise naquele país. Ele lembrou que a economia chinesa é impulsionada pelas exportações e que essa medida visa, portanto, a aumentar o consumo doméstico. "No Brasil, nosso problema não é o consumo doméstico. Até setembro, o consumo estava muito forte e o emprego, alto. O problema não vem por aí", avaliou.

O presidente do BC salientou que, como nos casos de doença, os remédios para combater a crise diferem, pois dependem da situação de cada país. Para Meirelles é correta a recomendação de que os Estados Unidos ampliem seus gastos, mas, como no caso de uma doença, é preciso estar atento aos efeitos colaterais dessa medida. "A dívida americana será maior do que US$ 1 trilhão", calculou.

Ainda que a recomendação seja a de promover aportes fiscais em países com problemas, é preciso ter atenção às nações que apresentam fragilidades em suas contas públicas. "Como devem agir esses países? Se começarem a gastar mais, podem quebrar", avaliou. Neste caso, segundo ele, demanda-se que o aporte maior venha de instituições multilaterais.

Crédito

A queda do volume de crédito novo concedido em outubro foi pequena em relação a setembro, afirmou o presidente do BC. Porém, ele ressaltou que os dados só serão conhecidos quando a instituição divulgar oficialmente os números. De qualquer forma, ele adiantou que a redução do crédito na primeira semana do mês passado em relação ao período anterior foi de 30%, mas que, ao longo do mês, o volume foi sendo ampliado. Mesmo assim, essa recuperação não foi suficiente para superar os dados de setembro.

De acordo com Meirelles, a diminuição de crédito para pessoa física foi "bem pequena", enquanto para as empresas foi um pouco maior. "Existe um cenário de recuperação", avaliou. Ele salientou que os impactos da crise chegam ao Brasil pelo canal do comércio e das expectativas, mas principalmente pelo de crédito, e é por isso que alguns setores, como os ligados à siderurgia, acabam sentindo mais os efeitos da turbulência. O presidente do BC deu como exemplo o segmento de automóveis e de produção de linha branca (eletrodomésticos), cujas vendas são fortemente associadas a financiamentos. "Outros setores ainda estão fortes em outubro e há até recordes de venda", afirmou. "Outros não, tiveram perdas grandes", continuou.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG