Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Meirelles indica que Selic não vai cair

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, sinalizou que o Comitê de Política Monetária (Copom) vai manter mais uma vez inalterada a taxa básica de juros. Em audiência pública na Comissão de Orçamento, Meirelles disse que o Brasil não enfrenta a mesma situação de recessão e deflação dos EUA e da Europa para reduzir juros, como pedem parlamentares.

Agência Estado |

"Uma queda nesses países é perfeitamente natural. No Brasil é um caso diferente. Certamente, o BC vai se reunir e vai levar em conta todos os fatores da economia para tomar a melhor decisão para a sustentabilidade do crescimento da economia brasileira", disse.

Comparando a crise a um "desarranjo" e a política econômica a um tratamento médico, Meirelles disse que cada País deve tomar a decisão adequada ao seu caso, não cedendo à tentação de usar o mesmo remédio do vizinho. "Quanto mais específico melhor, porque todo remédio tem efeito colateral. As medidas anticrise também."

Para bom entendedor, o presidente do BC quis dizer que uma redução "agressiva" da taxa de juros, como pedida pelo deputado Jilmar Tatto (PT-SP), poderia provocar pressões inflacionárias inadequadas ao Brasil, que - segundo ele - não apresenta problemas de demanda, mas apenas de liquidez. "A experiência internacional mostra que a inflação não é a forma de crescer rápido", avisou.

O presidente do BC chegou a comentar que existem países que estão subindo a taxa de juros, como a Rússia e a Hungria, e enfrentam depreciações cambiais como no Brasil. Mas, para não dar a impressão de que estava defendendo a alta da Selic, disse que talvez o País se enquadre num caso intermediário entre Estados Unidos e Rússia.

"É preciso separar a gestão da liquidez da política monetária", disse Meirelles. Segundo ele, o governo já tomou as medidas necessárias para restabelecer a liquidez do mercado e não vai permitir que falte crédito aos exportadores.

Questionado sobre a decisão dos bancos de entesourar ou comprar títulos públicos com dinheiro do compulsório liberado pelo BC, Meirelles disse que o governo está tentando reverter a situação indiretamente, via bancos públicos, como BNDES, Banco do Brasil e Caixa. "Eles são capazes de influenciar na formação das taxas de juros e na oferta de crédito."

Meirelles também destacou a recuperação do crédito, que, pelos dados parciais de novembro, subiu 5,7% nos primeiros oito dias úteis, mas ressaltou que o movimento é mais lento entre as empresas. Enquanto a média diária do crédito para pessoas físicas cresceu 14,8% em novembro, entre as pessoas jurídicas foi de apenas 1,2%.

Leia também

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião

Leia tudo sobre: bcselic

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG