Moscou, 27 jul (EFE).- O presidente russo, Dmitri Medvedev, promulgou hoje um pacote de leis destinadas à modernização e inovação tecnológica da economia nacional, que se sustenta há décadas na exportação de hidrocarbonetos.

Moscou, 27 jul (EFE).- O presidente russo, Dmitri Medvedev, promulgou hoje um pacote de leis destinadas à modernização e inovação tecnológica da economia nacional, que se sustenta há décadas na exportação de hidrocarbonetos. "Dentro de um ano pode ser que não sejamos Cingapura, mas dentro de cinco anos este sistema deverá estar funcionando", assinalou Medvedev, que descreveu a economia russa como "primitiva" e "vergonhosamente pouco competitiva". Entre as leis aprovadas por Medvedev figura uma sobre a criação de centros especiais a fim de simplificar os trâmites burocráticos, jurídicos e contáveis para atrair o investimento externo e, de quebra, a transferência de tecnologia. "Esperamos que os centros sejam capazes de estreitar o propiciem contatos com diretores na hora de solicitar serviços estatais por meio de portais da internet sem a participação de funcionários públicos", disse, segundo as agências russas. Também sancionou uma lei sobre a política científica do Estado, cujo objetivo é facilitar a concessão de diplomas e o reconhecimento dos méritos dos pesquisadores. Medvedev lamentou a escassez de infraestrutura na Rússia para as empresas mistas, uma das principais vias de transferência tecnológica. E ressaltou a importância de desenvolver as pequenas e médias empresas em um país onde a economia é administrada por grandes corporações estatais, as únicas com acesso aos recursos minerais do país. Por sua vez, o líder russo considera que o programa de modernização da economia não pode desligar-se da luta contra a corrupção, da redução da influência do Estado na economia e do desenvolvimento de uma concorrência livre e justa. "Sem a solução desses problemas, não haverá nenhuma modernização tecnológica e nenhuma economia inovadora", indicou. Recentemente, Medvedev assegurou que os preços do petróleo excessivamente altos seriam uma "catástrofe" para a Rússia, já que impediriam reduzir sua dependência das exportações de hidrocarbonetos. "Se falarmos com clareza, US$ 140 por barril seria uma catástrofe para a Rússia, a eliminação de todos os estímulos ao desenvolvimento", assinalou. Medvedev, quem apresentou no fim de 2009 um ambicioso programa de modernização da estrutura econômica russa, considera "humilhante" a dependência das matérias-primas por parte da economia russa. Implicitamente, criticou seu antecessor e atual primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, por negar-se a reformar a economia durante seus oito anos de mandato presidencial e de "vacas gordas", quando os preços do petróleo estavam altos. Desde que assumiu o cargo em maio de 2008, o chefe do Kremlin propôs a criação de um Vale do Silício russo nos arredores de Moscou e a obrigatoriedade do uso de internet na administração pública. EFE io/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.