SÃO PAULO - As decisões tomadas são difíceis, mas necessárias para salvar o país e a economia, ponderou o premiê da Grécia, George Papandreou. O governo grego decidiu adotar novas medidas de austeridade que devem gerar uma economia de 4,8 bilhões de euros, ou 2% do Produto Interno Bruto (PIB).

O novo plano, aprovado nesta quarta-feira por um conselho de ministros em caráter extraordinário, deve possibilitar à Grécia que alcance seus objetivos orçamentários.

Entre as iniciativas definidas, está uma alta de 2 pontos percentuais no Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que passou para 21%, comunicou o porta-voz do governo da Grécia, Georges Petalotis. Também haverá uma taxação maior para o álcool, tabaco, combustíveis e produtos de luxo.

"O momento da Europa chegou. Fizemos o que precisávamos fazer. A Europa deve fazer o mesmo", declarou Papandreo, em reunião de gabinete nesta quarta-feira.

Um representante do governo disse que o premiê teria deixado aberta a possibilidade de ir ao Fundo Monetário Internacional (FMI) se Atenas não receber apoio financeiro da União Europeia.

No fim desta semana, o premiê grego se encontrará em Berlim com a chanceler alemã, Angela Merkel. Ele irá para Paris na sequência para conversar com o presidente francês Nicolas Sarkozy no domingo. Na terça-feira que vem, o premiê grego vai estar em Washington, com reunião com o dirigente americano Barack Obama.

(Juliana Cardoso | Valor, com agências internacionais)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.