Washington, 15 set (EFE).- O candidato do Partido Republicano à Casa Branca, John McCain, lamentou hoje a crise gerada pelo colapso do Lehman Brothers e insistiu em que uma de suas prioridades de seu Governo seria garantir que os Estados Unidos continuem sendo o principal mercado do mundo.

"A crise (...) passou uma enorme fatura para nossa economia e para o povo americano", disse McCain, em comunicado, no qual se referiu ao colapso do Bear Stearns, às firmas hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac - que sofreram intervenção do Governo - e ao banco de investimento Lehman Brothers, que se declarou ontem em quebra.

O senador pelo Arizona elogiou que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) e o Departamento do Tesouro dos EUA não tenham usado dinheiro público para resgatar o Lehman Brothers, uma postura que McCain disse ter defendido durante sua campanha eleitoral.

O candidato afirmou que o ocorrido era culpa de uma regulação e uma gestão ineficazes.

Além disso, qualificou como "essencial" para os EUA que o país continue sendo o principal mercado do mundo.

"Essa será uma das principais prioridades de meu Governo", disse o senador, que indicou que, para conseguir seu objetivo, iniciaria uma "grande reforma" em Washington e Wall Street.

Mencionou, nesse sentido, que ele e sua companheira de chapa, a governadora do Alasca, Sarah Palin, substituiriam a atual ineficaz e defasada regulação por transparência e responsabilidade em Wall Street.

"Restauraremos a confiança em nossos mercados e nossa liderança nos mercados financeiros", disse o candidato à Casa Branca. EFE tb/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.