Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mau humor externo puxa dólar para R$ 1,763

SÃO PAULO - A piora de humor que tomou conta dos mercados depois que a Securities and Exchange Commission (SEC, comissão de valores mobiliários dos EUA) acusou o Goldman Sachs de fraude civil também chega ao câmbio local. Refletindo o aumento na aversão ao risco, que derruba o preço de commodities, o dólar comercial firmou alta ante o real. Depois de testar mínima a R$ 1,747, por volta das 13 horas, a moeda valia R$ 1,761 na compra e R$ 1,763 na venda, alta de 0,62%.

Valor Online |

SÃO PAULO - A piora de humor que tomou conta dos mercados depois que a Securities and Exchange Commission (SEC, comissão de valores mobiliários dos EUA) acusou o Goldman Sachs de fraude civil também chega ao câmbio local. Refletindo o aumento na aversão ao risco, que derruba o preço de commodities, o dólar comercial firmou alta ante o real. Depois de testar mínima a R$ 1,747, por volta das 13 horas, a moeda valia R$ 1,761 na compra e R$ 1,763 na venda, alta de 0,62%. No mercado futuro, o dólar com vencimento para maio, negociado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), ganhava 0,71%, a R$ 1,766. O Banco Central já atuou no mercado à vista. Em leilão realizado entre 12h24 e 12h34, a autoridade monetária tomou dólares a R$ 1,7598. Um já foi, agora fica a dúvida é se a autoridade monetária fará novo leilão ainda hoje. Desde julho de 2007 o mercado não provava tal incerteza. Ontem, depois de o dólar fazer mínimas a R$ 1,734, o BC anunciou um segundo leilão no mercado à vista, puxando o preço da moeda de volta para cima de R$ 1,75. No campo externo, as atenções estão voltadas aos papéis do Goldman Sachs, que afundam mais de 13% na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse, na sigla em inglês). A SEC alega que a companhia vendeu complexos títulos de hipotecas subprime e falhou na apresentação aos investidores quanto ao fato de que um grande fundo de hedge apostou contra os títulos. Ainda no mercado externo, mas agora na Europa, essa forte piora do humor traz preocupação para a Grécia, que tem leilão de dívida programado para hoje. Com o aumento na aversão ao risco, os agentes temem que o prêmio exigido para os papéis do país suba muito, inviabilizando a colocação. Em Wall Street, o Dow Jones, que ensaiava alta depois de uma surpresa positiva com a confiança do consumidor, caía 1,23% e ameaça perder a linha dos 11 mil pontos. Já o S & P 500 recuava 1,73%, a abaixo dos 1.200 pontos. Por aqui, a piora de humor externo acentuou o tom vendedor na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Há pouco, o Ibovespa caía 2,01%, a 69.107 pontos, menor pontuação desde 26 de março. (Eduardo Campos | Valor)
Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG