Tamanho do texto

Segundo pesquisa do Dieese, mesmo com crescimento do desemprego, mês tem melhor desempenho desde 1998

Apesar de o número de desempregados ter aumentado em relação a fevereiro, o mês de março registrou a menor taxa de desemprego dos últimos 12 anos, de acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos). As informações são da PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego) que mostra que, em março, o contingente de desempregados no conjunto das seis regiões onde a pesquisa é realizada foi estimado em 2,7 milhões de pessoas, 149 mil a mais do que no mês anterior.

A taxa de desemprego total cresceu de 13%, em fevereiro, para os atuais 13,7%, mas o movimento é considerado típico para o período. Ainda assim, essa é a menor taxa para o mês de março, desde 1998. O desempenho fez com que a taxa de desemprego aberto aumentasse de 8,9% para 9,7%.

Em março, o nível de ocupação também diminuiu 0,8%, em comportamento esperado para o período. A eliminação de 137 mil ocupações, aliada à relativa estabilidade da PEA (População Economicamente), resultou no aumento do contingente de desempregados, num total de 149 mil pessoas. O total de ocupados nas seis regiões investigadas foi estimado em 17,2 milhões de pessoas e a PEA, em 20,2 milhões.

O desemprego aumentou em Salvador (1,3%), São Paulo (0,9%), Belo Horizonte (0,6%), Distrito
Federal (0,6%) e Porto Alegre (0,4%) e manteve relativa estabilidade em Recife (-0,1%).

Do ponto de vista dos setores, houve aumento do desemprego em Serviços (115 mil ocupações a menos, ou redução de 1,2%), Comércio (-55 mil, ou -1,9%) e Outros Setores (-19 mil, ou -1,3%). Houve contratações na Indústria (31 mil, ou 1,2%) e na Construção Civil (21 mil, ou 1,9%).