Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mantega reforça que receitas com pré-sal favorecerão população do país

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, deixou claro hoje que o governo já decidiu que as receitas futuras das reservas petrolíferas do pré-sal serão usadas a favor da sociedade brasileira como reforço ao desenvolvimento e à sustentabilidade do país no longo prazo, segundo afirmou na Câmara.

Valor Online |

Uma coisa é certa: esta riqueza será utilizada, não em beneficio da empresa A, B ou C, mesmo que seja empresa estatal, mas em benefício da população brasileira, enfatizou o ministro. Ao explicar que parte dos recursos do pré-sal vai compor o fundo soberano, o ministro repetiu as idéias que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem exposto em seus recentes discursos.

Estamos falando aqui de centenas de bilhões de dólares, disse Mantega sobre as receitas futuras do pré-sal. O presidente Lula garante que serão utilizados, uma parte para a educação, outra parte para a saúde, outra parte para diminuir a dívida, para aumentar as reservas, citou.

Após encontro com o presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), Mantega reiterou que o governo ainda não decidiu como fará a gestão dessa riqueza imensa que está no subsolo brasileiro.

Questionado se acha que deve ser criada uma nova estatal para administrar as receitas futuras do pré-sal, Mantega respondeu: Eu não acho nada, porque faço parte da comissão; a comissão ficou de estudar todas as possibilidades, qual é a possibilidade mais viável para o país, disse, referindo-se à comissão interministerial do pré-sal.

Nesse caso, nós vamos escolher um modelo brasileiro. Não vamos copiar nenhum outro modelo, disse. É claro que você aprende com as experiências de outros países, mas não significa que nós vamos pegar o modelo norueguês, o modelo da Rússia, ou de qualquer país. Vamos fazer um modelo nosso, que atenda às nossas necessidades, falou o ministro.

Não está definido ainda, mesmo porque, quem terá a última palavra é o presidente Lula, continuou. Nós ficamos encarregados de apresentar alternativas, e essas alternativas serão apresentadas até o final de setembro ao presidente Lula, explicou o ministro da Fazenda.

(Azelma Rodrigues | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG