Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mantega: governo não lançará pacote para conter crise

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou hoje que o governo não vai fazer um pacote de medidas para enfrentar a crise internacional. Pacote é coisa do passado.

Agência Estado |

O momento é de tomar medidas específicas, o que já estamos fazendo", afirmou. O ministro disse ainda torcer para que os Estados Unidos acertem um acordo para votar o pacote e que o projeto não beneficie apenas os banqueiros, como também os mutuários e correntistas bancários do mercado norte-americano.

Mantega afirmou que a antecipação de recursos para a agricultura, que, segundo ele, já está sendo executada pelo Banco do Brasil (BB), é de R$ 5 bilhões. "Achamos que mais R$ 5 bilhões resolvem o problema", disse, durante entrevista coletiva na porta do Ministério da Fazenda, horas depois da reunião de coordenação política com o presidente Lula para avaliar a crise internacional. "As medidas de ajuste estão sendo tomadas. O BB já está antecipando recursos para a agricultura. Vamos colocar mais crédito", disse.

Crédito

O ministro da Fazenda assegurou que, se for necessário, o governo tomará novas medidas para irrigar o crédito a exportadores. Ele reconheceu que o problema mais imediato decorrente da crise é o da falta de crédito para os exportadores e disse que o Banco Central (BC) já está fazendo leilões de dólares e o governo está "estimulando os bancos" a darem crédito. Se for necessário, disse Mantega, novas medidas serão tomadas.

Ele também disse que o governo já está antecipando crédito para agricultura, por meio do Banco do Brasil. Sem entrar em detalhes, o ministro informou que o governo está remanejando recursos de fundos. Mantega também comentou as medidas tomadas pelo governo para melhorar a liquidez para os bancos médios e, mais uma vez, disse que, se não forem suficientes, haverá outras.

Noticiário negativo

O ministro também fez questão de afirmar que tem observado no noticiário da imprensa brasileira avaliações bastante negativas sobre o impacto da crise internacional na economia do País. "Não concordo com avaliações pessimistas como as publicadas hoje de que a economia vai crescer de 1% a 2% em 2009", afirmou. "É totalmente impossível." Mantega disse que se o governo ficasse de braços cruzados, a economia brasileira já teria impulso suficiente para crescer de 2,5% a 3% em 2009. "Mas o governo não está de braços cruzados", afirmou ele.

O ministro garantiu que não faltará crédito para o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) e investimentos. Disse ainda que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai cumprir seu cronograma de desembolsos e o Fundo da Marinha Mercante terá mais recursos.

Ao comentar a reunião de coordenação política desta manhã, Mantega disse que a crise já dura mais de um ano e que agora está no seu momento mais agudo. Ele destacou que o Brasil está no grupo de países menos atingidos, por causa de seus bons fundamentos econômicos. "Seja qual for o desenrolar da crise, o Brasil continuará trilhando o caminho do crescimento", afirmou. Mantega destacou que o governo está atento e disse esperar que o pacote americano para sanear o sistema financeiro dos EUA seja aprovado hoje pelo Senado daquele país para reduzir a tensão desse quadro mais agudo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG