Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mantega e Meirelles vão afinados ao FMI

Preocupado com a reação do mercado interno às novas medidas do Banco Central (BC) contra a crise financeira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva marcou uma reunião de emergência ontem, no Palácio do Planalto, com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do BC, Henrique Meirelles. No início da noite, Lula já sabia que o uso de reservas do BC para reduzir o preço do dólar teve efeito e a situação no mercado estava um pouco melhor.

Agência Estado |

Mas temia perdas de grandes empresas brasileiras, como ocorreu com a Aracruz e a Sadia.

A convocação obrigou Mantega e Meirelles a adiarem para a noite de ontem a viagem a Washington, onde teriam durante a tarde uma série de encontros com autoridades do governo americano e representantes do Fundo Monetário Internacional (FMI). Um avião Legacy da Aeronáutica foi posto à disposição dos ministros para a viagem ainda ontem.

"Diante da situação muito sensível, o presidente decidiu convocá-los", afirmou uma pessoa próxima de Lula. "Hoje (ontem), a situação está um pouco melhor, o pânico no mundo é menor, mas é cedo para qualquer conclusão", disse essa fonte.

Lula aproveitou o encontro para orientar a equipe econômica a defender o G-20, grupo de países emergentes e novas regras para o sistema financeiro. "O presidente considera importante o supervisionamento do sistema financeiro mundial", afirmou à tarde o porta-voz do Planalto, Marcelo Baumbach. Ele disse que Lula quis fechar o posicionamento que o governo brasileiro adotará nas reuniões anuais do FMI e do Banco Mundial, em Washington. O encontro foi o último antes da viagem do presidente à Espanha, Moçambique e Índia, de onde retorna no próximo dia 17. Os ministros ficarão em Washington até dia 14.

Baumbach ainda detalhou a viagem de Lula a Toledo, na Espanha; Nova Délhi, na Índia; e Maputo, em Moçambique. Durante encontros com líderes dos três países, ele defenderá que acordos do Mercosul com outros blocos econômicos beneficiam o fluxo de comércio internacional, especialmente em momento de crise.

Lula terá encontros com o rei da Espanha, Juan Carlos; com o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh; o primeiro-ministro espanhol, José Luis Zapatero; com o presidente da África do Sul, Kgalema Motlanthe, e o ex-presidente Nelson Mandela; e o presidente de Moçambique, Armando Emílio Guebuza. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG