Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mantega é considerado 4º melhor ministro da Fazenda da América Latina

Santiago do Chile, 27 nov (EFE).- O ministro da Fazenda, Guido Mantega, ficou em quarto lugar em uma avaliação feita por 140 analistas consultados pela revista América Economia sobre os encarregados das finanças na América Latina mais bem preparados para enfrentar a atual crise mundial.

EFE |

Ele recebeu nota 6,7 em uma escala de 1 a 10.

O chileno Andrés Velasco foi o melhor avaliado, recebendo 7,8, e foi seguido pelo mexicano Agustín Carstens (7,4), o peruano Luis Valdivieso (7), Mantega, e o colombiano Óscar Zuluaga (6,7).

Nas posições seguintes aparecem os ministros da Guatemala (6,1), do Uruguai (6,1), da Costa Rica (5,9), do Panamá (5,9), de El Salvador (5,9), da República Dominicana (5,1) e do Paraguai (4,9).

Na lista ainda aparecem os responsáveis das finanças de Honduras (3,8), Nicarágua (3,5), Bolívia (3,4), Equador (3,2), Venezuela (2,8) e Argentina (2,8).

Segundo os analistas consultados, Andrés Velasco, um professor da Universidade de Harvard que acompanha a presidente Michelle Bachelet desde o início de seu Governo, em março de 2006, é o que conta com as melhores ferramentas para empreender uma política que faça frente à atual crise.

Os analistas explicam que isso permitiu ao Governo chileno enfrentar uma drástica queda no preço do cobre, principal produto do país.

Além disso, entre as conquistas da economia chilena se destaca a elaboração de um orçamento expansivo para o ano que vem, com reservas equivalentes a 12,6% do Produto Interno Bruto (PIB) e um superávit estrutural que se transformou em uma regra desde o Governo anterior do presidente Ricardo Lagos (2000-2006).

Os ministros foram avaliados em quatro aspectos: a estabilidade macroeconômica de seus países, o impulso a reformas pró-competitividade, liderança na equipe econômica e o envio de sinais de confiança a cidadãos, empresários e investidores.

Este último ponto é considerado "extremamente relevante" pela revista e foi liderado pelo Chile (8,1), seguido por México (7,4), Peru (7), Colômbia (6,6), Brasil (6,5), El Salvador (6,4), Guatemala (6), Uruguai (5,8), Costa Rica (5,8), e Paraguai (5,8). EFE ns/ab/jp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG