Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mandelson acredita na possibilidade de acordo na OMC, mas adverte para a questão da banana

O comissário europeu do Comércio, Peter Mandelson, disse nesta quinta-feira que acredita na possibilidade de um acordo para a Rodada de Doha na reunião da OMC (Organização Mundial do Comércio) na próxima semana, mas admitiu que a questão da banana pode bloquear as negociações.

AFP |

A advertência de Mandelson antecedeu a declaração de um diplomata latino-americano em Genebra de que os países de sua região estão muito perto de um acordo com os europeus sobre o tema da banana, porém os países da ACP (África, Caribe, Pacífica) o consideram "inaceitável".

As bases para o acordo foram apresentadas pelo diretor da OMC, Pascal Lamy, para uma redução da tarifa alfandegária européia para as importações da banana, que a União Européia (UE) está disposta a aceitar.

"Acredito que as possibilidades de um avanço estão aumentando, mas ainda não há nada seguro", afirmou Mandelson à imprensa em Bruxelas, referindo-se à reunião ministerial que começará segunda-feira em Genebra na sede da OMC.

"Não subestimo a complexidade das negociações, o vasto leque de economias que fazem parte desta negociação, as políticas intensas invocadas pela globalização e a liberalização do comércio e a série de interesses cruzados", acrescentou, com cautela.

Neste sentido, Mandelson advertiu que a batalha entre Europa, América Latina e países ACP pela banana pode provocar um fracasso das discussões, sugerindo portanto a obtenção de um consenso antes de segunda-feira, a partir da proposta feita por Lamy.

"Ninguém está completamente satisfeito com a proposta de Lamy. Mas se não for aceita, não seremos capazes de conseguir um acordo sobre os produtos tropicais e não haverá compromisso", advertiu.

"É por isso que a UE não bloqueará as propostas de Lamy. Se outros o fizerem, terão de assumir a grande responsabilidade pelo fracasso da Rodada de Doha.

Lamy convocou uma reunião para a noite desta sexta-feira em Genebra para discutir o tema, depois do anúncio da UE na quarta-feira de que está disposta a reduzir de forma progressiva, até 116 euros (184 dólares) por tonelada, sua tarifa para a importação de banana procedente da América Latina, em vez dos 176 euros atuais, condenados pela OMC.

bur-mar/lm

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG