Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Mais 13 milhões de pessoas ganham acesso à portabilidade numérica

BRASÍLIA - A partir desta segunda-feira, mais 13 milhões de usuários de telefonia fixa e móvel poderão trocar de operadora e manter o número do telefone. A portabilidade numérica chegará aos DDDs 16, em São Paulo; 41, no Paraná - incluindo a capital Curitiba; 34 e 35 em Minas Gerais; e 74, na Bahia.

Redação com Agência Brasil |

De acordo com a Associação de Recursos em Telecomunicações (ABR) Telecom, entidade administradora do serviço, com a implantação de mais uma etapa da portabilidade numérica, 90,2 milhões de usuários de telefonia no país já podem trocar de operadora e manter o número de telefone.

A portabilidade foi implantada em 1º de setembro de 2008, inicialmente, em oito regiões. A partir de hoje, está acessível a 42 DDDs e, até a primeira semana de março, o serviço estará disponível em todo o território nacional, nos 67 DDDs existentes.

Curitiba é a 18ª capital a ter a portabilidade numérica disponível para seus habitantes. De acordo com o calendário de implantação gradativa do serviço, já é possível trocar de operadora sem mudar o número do telefone nas capitais Vitória (ES), Teresina (PI), Campo Grande (MS), Goiânia (GO), Rio Branco (AC), Natal (RN), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), São Luís (MA), Porto Velho (RO), Salvador (BA), Maceió (AL), João Pessoa (PB), Porto Alegre (RS), Palmas (TO), Cuiabá (MT) e Manaus (AM).

Além das capitais, 3.918 cidades brasileiras já tiveram a portabilidade numérica implantada.

Como pedir a portabilidade

A intermediação entre a empresa que vai perder e a que vai ganhar o cliente será feita pela ABR Telecom, associação que ficará responsável por todo o banco de dados de números de telefone do País e por passar as informações do usuário de uma prestadora para a outra.

Assim, o cliente da operadora A vai procurar a operadora B, fechar um contrato e solicitar a portabilidade numérica. A operadora B, então, entrará em contato com a ABR Telecom, que por sua vez irá informar à operadora A que aquele cliente quer sair da empresa portando seu número.

Acordadas as partes, inicia-se um prazo de cinco dias para que o processo esteja completo. Nos primeiros dois dias, o usuário ainda pode mudar de idéia, caso, por exemplo, a operadora A lhe faça uma contraproposta. Se quiser voltar atrás, o usuário deverá comunicar sua decisão à operadora B.

Caso ele não desista, o processo continua. Quando o dia exato da mudança de operadora for determinado, o usuário será informado de que, durante algumas horas, seu aparelho poderá ficar sem sinal, dada a complexidade do processo.

Leia mais sobre portabilidade numérica

Leia tudo sobre: portabilidade numérica

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG