Tamanho do texto

SÃO PAULO - Se o rumo da economia brasileira depende significativamente da confiança dos empresários, o cenário pode piorar. Levantamento feito pela Serasa Experian entre os dias 5 e 9 de janeiro, com 1.024 executivos da indústria, comércio, serviços e instituições financeiras no país mostra que 77% deles esperam aumento do desemprego neste primeiro trimestre. No mesmo período do ano passado, essa fatia era de 24%.

Os bancos são os mais pessimistas: nesse setor 83% acham que as demissões devem aumentar, nível parecido com o da indústria, onde 81% acreditam em aumento de desemprego nestes primeiros três meses do ano. No setor de serviços, essa proporção é de 79% e no comércio o pessimismo com o emprego atinge 75% dos entrevistados.

Além disso, quase metade dos empresários consultados - 49% - aposta em queda da renda do brasileiro, enquanto outros 40% projetam estabilidade. Apenas 11% acreditam em aumento da renda.

No quesito emprego, a região mais pessimista é Sudeste, onde 82% dos empresários têm percepção de aumento do desemprego de janeiro a março deste ano.

Com tamanho pessimismo para o comportamento do emprego no país, a previsão do empresariado para inadimplência e endividamento também piorou bastante.

Do total de entrevistados, 72% acreditam que haverá aumento da inadimplência, especialmente entre os bancos, onde 86% dos executivos têm essa percepção. No caso do endividamento, 64% dos empresários avaliam que deve haver aumento nos primeiros três meses do ano.