Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Maior presença da China na América Latina não preocupa EUA

Parceria comercial com páis asiático ainda é pequena na região

AE |

selo

Os Estados Unidos são favoráveis aos investimentos da China na América Latina e não veem a crescente influência da nação asiática na região como uma ameaça a seus interesses, de acordo com o secretário-adjunto de Estado para a América Latina, Arturo Valenzuela, que está em visita à China. "O compromisso, investimentos e negócios da China com os países latinos ajudam a fortalecer a economia e prover emprego a pessoas deste países", afirmou.

 

Segundo Valenzuela, os Estados Unidos e a China compartilham objetivos na América Latina e ambos os países querem elevar os padrões de vida, melhorar a estabilidade política e fortalecer a segurança na região. Ele afirmou que o governo norte-americano tem um relacionamento mais significativo com a região do que Pequim. Segundo o secretário, cerca de 40% do comércio global dos EUA ocorre com a América Latina. No caso da China, a América Latina representa apenas 5%.

 

O comércio chinês com a região cresceu cerca de dez vezes na última década, em função da busca da China por novas fontes de matérias-primas e do crescimento das aquisições de produtos chineses pela América Latina. A China emprestou US$ 20 bilhões à Venezuela no início do ano e tem investido pesadamente no Brasil, que possui fortes reservas de minério de ferro. O comércio da China com a região atingiu US$ 143 bilhões em 2008, de acordo com os dados oficiais mais recentes.

 

Quando questionado sobre os laços diplomáticos de Taiwan com a América Latina e como eles afetam as conversas com a China, Valenzuela afirmou que a questão era uma "nota de rodapé" em suas discussões sobre a região. Diversos países da América Central estão entre as 23 nações da ONU que formalmente reconhecem Taiwan independente de Pequim. As informações são da Dow Jones.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG