Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Maior festa da Apple fica sem seu astro

A Apple anunciou que seu presidente-executivo, Steve Jobs, não vai participar da feira de tecnologia Macworld, que será realizada em janeiro, reabrindo especulações em torno da saúde do executivo. Jobs é sempre o grande astro da feira, que reúne aficionados por produtos da Apple de todo o mundo.

Agência Estado |

É nessa feira que a empresa costuma apresentar suas grandes novidades, como o iPhone e o MacBook Air. A Apple anunciou também que esta será a última vez que a própria empresa participa do evento - que não é realizado oficialmente por ela.

Jobs se submeteu em 2004 a uma operação, bem-sucedida, para a retirada de um câncer no pâncreas. Porém, a extrema magreza que mostrou em suas últimas aparições públicas este ano voltou a preocupar os investidores. A Apple assegurou, no entanto, que a decisão foi tomada por motivos estratégicos. Teria como principal motivação, na verdade, o interesse da empresa em dar menos relevância à feira nas próximas edições.

A empresa disse que deve se afastar das conferências da indústria para divulgar seus novos dispositivos e organizar suas próprias apresentações de forma independente. De qualquer forma, os anúncios fizeram com que as ações da empresa chegassem a cair mais de 7% ontem em Nova York.

Yair Reiner, analista da Oppenheimer, disse que, provavelmente, há "uma razão puramente comercial para a decisão de Jobs de não ir à Macworld em 2009 e da Apple não participar mais do evento". Mas o cancelamento, segundo ele, "nos faz lembrar que ainda não sabemos nada sobre a saúde de Jobs ou qualquer plano potencial de sucessão na empresa".

Para muitos, Jobs é considerado como líder insubstituível na Apple. Ao lado de Steve Wozniak, ele fundou a empresa em 1976. Porém, em 1985, o conselho de administração da companhia, que tinha se tornado uma gigante, forçou-o a deixar a direção. Voltou em 1997, em um momento em que a empresa estava em uma situação muito frágil, e salvou-a da falência.

Para a analista Shannon Cross, da Cross Research, a ausência de Jobs da Macworld pode significar simplesmente que a Apple não tenha "nenhum anúncio significativo de produto" para a feira. Mas, para ela, seria importante para a companhia tornar Jobs disponível para a imprensa ou investidores no início do próximo ano como forma de aliviar as preocupações. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG