SÃO PAULO - A fabricante de refratários Magnesita pretende captar recursos no exterior. No entanto, ainda não definiu montante, nem taxa de juros da emissão, que será feita em dólares e terá vencimento em 2020.

De acordo com comunicado divulgado pela companhia, os recursos captados por meio da oferta serão utilizados, principalmente, para pagamento da dívida.

O débito em questão é um "Senior Export Facility Agreement" celebrado com o J.P. Morgan, Banco do Brasil e o Banco Bradesco no valor principal de US$ 300 milhões.

A emissão será feita por meio da subsidiária integral Rearden G Holdings EINS GmbH (Alemanha).

A agência de classificação de risco Moody's atribui rating em moeda estrangeira B1 às notas, que devem ter montante aproximado de US$ 300 milhões.

Simultaneamente, a Moody´s afirmou os ratings corporativos da Magnesita de B1 na escala global e Baa2.br na escala nacional brasileira. A perspectiva para todos os ratings é estável.

(Eduardo Campos | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.