Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Magnata texano Robert Allen Stanford é acusado de fraude de US$ 8 bi

Washington, 17 fev (EFE).- A Comissão da Bolsa de Valores dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) acusou o multimilionário texano Robert Allen Stanford de operar um fundo de investimentos fraudulento com o qual captou US$ 8 bilhões com promessas de alta rentabilidade.

EFE |

A SEC divulgou hoje as acusações, enquanto agentes da Polícia federal realizavam operações nos escritórios de Stanford em Houston, no Texas.

Stanford é acusado de enganar os investidores, a quem vendeu títulos a prazo fixo conhecidos como certificados de depósito com taxas de juros "improváveis e não justificadas".

Para fazer com que acreditassem no investimento, o Banco Internacional Stanford, com sede em Antígua, criou uma trama de mentiras, segundo a SEC.

O banco disse que tinha alcançado uma rentabilidade de dois dígitos durante os últimos 15 anos, e garantiu às vítimas que seus depósitos eram totalmente seguros, pois investiam principalmente em instrumentos financeiros "líquidos", o que era falso, de acordo com a SEC.

Além disso, o banco dizia contar com uma equipe de mais de 20 analistas para fiscalizar as operações, e que estava sujeito às auditorias anuais das autoridades de Antígua, o que também não era verdade, segundo a Comissão.

"Stanford e um pequeno círculo familiar e de amigos com os quais dirige seus negócios perpetraram uma fraude em massa baseada em promessas falsas e dados históricos de rentabilidade inventados para se aproveitar de investidores", afirmou em comunicado Linda Chatman Thomsen, diretora do departamento de pesquisas da SEC.

Rose Romero, diretora regional da SEC em Fort Worth (Texas), afirmou que a fraude tem uma magnitude "surpreendente" e que "estendeu seus tentáculos por todo o mundo".

A pedido da SEC, o juiz Reed O'Connor ordenou congelar os ativos do magnata, assim como os do diretor financeiro do Banco Internacional Stanford, James Davis, e da diretora de investimento do Grupo Financeiro Stanford, Laura Pendergest-Holt.

A agência governamental também alega que houve fraude em um programa de venda de fundos mútuos chamado Estratégia de Investimento Stanford, controlado pelo multimilionário, que alcançou um volume de negócios de US$ 1,2 bilhão.

Seus diretores também inventaram os dados históricos de seu desempenho, o que atraiu capital suficiente para gerar US$ 25 milhões em ingressos por taxas entre 2007 e 2008, segundo a SEC. EFE cma/mh

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG