Para não perder o apoio da bancada do PDT no Congresso, que tem 25 deputados e 5 senadores, o Planalto está cedendo e aceitando que o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, acabe com o rodízio entre trabalhadores, empresas e governo na presidência do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat). O ministro anunciou na última reunião do conselho, na quarta-feira passada (dia 11), que o presidente Lula concorda com sua proposta e vai assinar um decreto presidencial determinando que a presidência do Codefat seja sempre ocupada pelo ministro do Trabalho.

O mandato do atual presidente, Luiz Fernando Emediato, representante da Força Sindical, termina em agosto deste ano e, pelo rodízio, o próximo presidente será indicado pelas entidades patronais. A mais cotada para preencher o cargo é a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), presidida pela Senadora Kátia Abreu (DEM-TO).

A presidência do Codefat administra um patrimônio de R$ 158 bilhões do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Somente o orçamento anual do Fundo é de R$ 42 bilhões.

A proposta de Lupi, apresentada ao Planalto em setembro do ano passado, desagradou a parte do governo e integrantes do conselho. A ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, por exemplo, é contra o fim do rodízio e tenta dissuadir Lupi da ideia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.