NOVA YORK - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que vai analisar a possibilidade de fazer mudanças no cálculo do rendimento da caderneta de poupança depois de se reunir com os técnicos da área econômica. Eu tenho que voltar para o Brasil, fazer uma reunião com a equipe econômica, para ver como fica a caderneta, declarou Lula, em entrevista a jornalistas brasileiros antes de deixar Nova York e retornar a Brasília.

A preocupação com o rendimento da poupança é das instituições financeiras. Depois do corte da taxa básica de juros na semana passada, os juros da caderneta ficaram mais atrativos do que os dos títulos públicos. O efeito pode ser uma migração de dinheiro dos fundos de investimento (FIFs) para a poupança. Para o governo, isso pode significar maior dificuldade para vender títulos e administrar a dívida pública.

Segundo o presidente, nada será decidido antes da reunião. Mas Lula não demonstrou preocupação com qualquer alteração que possa vir a ocorrer. "Nos já mexemos na poupança dois anos atrás, quando descobrirmos que gente que tinha muito dinheiro queria investir na poupança. Mexemos para garantir a poupança apenas para os pequenos poupadores."
Na entrevista, Lula também minimizou a previsão do banco de investimentos Morgan Stanley de que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro este ano será negativo em 4,5%. Analistas de mercado consultados pelo Banco Central (BC) estimam um crescimento de 0,59% neste ano. Lula manteve a previsão de crescimento em 2009, conforme havia dito poucas horas antes em discurso para empresários reunidos em um seminário.

"Esses bancos não acertaram nem o que iria acontecer com eles mesmos quanto mais com a situação do Brasil", provocou Lula. "Certamente o Brasil não vai crescer do jeito que nós queríamos, mas será um dos países que terá resultado positivo este ano. " O presidente não quis prever qual vai ser o resultado do PIB em 2009. "Não cravei um número antes, não tem por que cravar agora. Mas as coisas estão acontecendo e eu estou tão otimista agora quanto estava no ano passado."
Mais cedo, em seminário, os ministros brasileiros convidados fizeram previsões otimistas para os investidores e empresários que foram ao hotel The Plaza, em frente ao Central Park.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que a queda do PIB, de 3,6%, no último trimestre do ano passado é apenas parte do quadro econômico de 2008. "A queda do PIB no último trimestre de 2008 foi forte, mas havia crescimento nos anteriores, enquanto outras economias já estavam desacelerando desde o início de 2008", disse.

Mantega também se mostrou esperançoso quanto ao número de empregos a ser gerado no ano. "O Brasil espera ter saldo positivo na geração de empregos em 2009. Claro que não criaremos um milhão e meio de empregos com em outros anos, mas abriremos vagas."
A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, declarou que a previsão de investimentos no Brasil não diminuiu por causa da crise econômica internacional. Segundo ela, os investimentos seguem "promissores, com indicativos de manutenção da taxa em percentual do PIB". Ela vê uma recuperação mais forte da economia no segundo semestre.

(Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.