Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lula: situação permite ficar tranqüilo, mas atento

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje que a situação atual da economia brasileira permite ao governo ficar tranqüilo, porém atento em relação à crise financeira desencadeada nos Estados Unidos. Segundo ele, a atitude do governo terá de ser similar a de um médico que realiza uma cirurgia e obrigatoriamente tem de acompanhar a recuperação de seu paciente.

Agência Estado |

Para o presidente, se houver recessão nos Estados Unidos, o impacto na economia brasileira será "muito menor, quase imperceptível", se comparado com os efeitos das crises internacionais dos anos 90.

Segundo ele, o mercado interno é o fator que impulsiona o crescimento da economia brasileira. "É a nossa grande tábua de salvação", afirmou, em entrevista, ao chegar ao Palácio do Itamaraty, ao lado do primeiro-ministro da Noruega, Jens Stoltenberg. Lula ressaltou, também, que o Brasil conta com um "colchão importante", que são os US$ 205 bilhões das reservas internacionais. Além disso, enumerou o fato de as exportações brasileiras terem se diversificado e de não serem tão dependentes, como há 20 anos, do mercado americano.

Lula insistiu que qualquer pergunta sobre crise financeira americana deveria ser endereçada ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e acentuou que nenhum chefe de Estado com quem tem conversado nos últimos dias tem "visão geral do que vai acontecer". "Cada dia há uma surpresa. Isso mostra que o cassino imobiliário era muito maior do que se poderia imaginar", afirmou. Neste momento, o presidente oferece almoço ao primeiro-ministro norueguês, no Palácio do Itamaraty.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG