Tamanho do texto

RIO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou ontem a forma como seu governo é abordado pelos meios de comunicação ao mesmo tempo em que defendeu a liberdade de imprensa. Ele falou durante a solenidade de abertura do Encontro Anual da Academia Internacional de Televisão, no Rio de Janeiro.

Às vezes, há jornais ou noticiário de televisão que se excedem, que desprezam os fatos, divulgam inverdades. Aprendi a conviver tranqüilamente com isso. Porque tenho a certeza de que, havendo liberdade de imprensa e democracia, mais cedo ou mais tarde a verdade termina prevalecendo.

Lula reconheceu que, sem a liberdade de imprensa, jamais teria chegado à Presidência da República e disse que os leitores, os ouvintes e os telespectadores são perfeitamente capazes de separar o joio do trigo, a informação da desinformação, a notícia da campanha, a verdade da eventual manipulação.

Segundo o presidente, os leitores e telespectadores são críticos implacáveis e juízes muito severos. Quem não os trata com respeito e não mostra consideração pela sua inteligência termina por perder credibilidade. Por isso mesmo, estou entre aqueles que acham que não há nada melhor para os eventuais excessos cometidos por qualquer órgão de imprensa do que mais liberdade de imprensa.

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, também participou da abertura do encontro, que reúne participantes de diversos países, incluindo presidentes de grandes empresas de mídia, e segue até a próxima quarta-feira, em um hotel da zona sul do Rio.

(Agência Brasil)