Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Lula quer usar questão ambiental como trunfo em fóruns internacionais

RIO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta sexta-feira, que a questão ambiental deve ser tratada de forma a fortalecer a posição do Brasil no cenário internacional. Para Lula, medidas de preservação podem impedir críticas e retaliações a produtos brasileiros.

Valor Online |

"É melhor para a imagem do Brasil, e para os produtos do país, fazer a coisa direito, para podermos transitar por todos os fóruns de cabeça erguida", disse o presidente, que assinou nesta sexta-feira decreto instituindo o Fundo Amazônia, que ficará sob a responsabilidade do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e poderá captar até US$ 1 bilhão no primeiro ano para desenvolvimento na área ambiental amazônica. "Destruir a Amazônia seria um instrumento a ser utilizado contra o nosso país e nossos produtos", acrescentou.

No seu discurso, o presidente deixou claro que o objetivo do governo é tomar a dianteira no desenvolvimento sustentável para poder rebater críticas e aumentar as exigências em fóruns internacionais.

"Nós queremos falar grosso. Venho de um país que tem 85% de sua energia elétrica limpa, que tem 46% da matriz energética limpa e com 64% de suas florestas ainda de pé. Quem pode ter esse discurso no G-8?", questionou.

O presidente não poupou críticas à postura de países desenvolvidos, já que, segundo ele, "tem gente que fala como se fosse dono da Amazônia". Lula também voltou a bater na tecla de que muitas críticas vêm de países que se recusaram a assinar o Protocolo de Kyoto e apresentou dados mostrando que, em 2005, dos 28 bilhões de toneladas de emissões de gases do efeito estufa no mundo, os Estados Unidos contribuíram com 21% e a China com 18%, enquanto o Brasil respondeu apenas por 3,9%.

Outro dado apresentado pelo presidente e que também foi levado por ele à última reunião do G-8 diz que, enquanto os Estados Unidos emitiram 70 toneladas de gases do efeito estufa por quilômetro quadrado em 2005, o Brasil respondeu por 1,9 toneladas por quilômetro quadrado.

Lula disse ainda que, embora a China e outros países em desenvolvimento estejam crescendo no ranking de maiores poluidores do planeta, há diferenças quando comparados com nações que começaram o desenvolvimento industrial no século XIX, como EUA e Inglaterra.

"Alguns tem responsabilidade maior. Então é preciso que haja um processo de reparação de danos cometidos", ressaltou.

Leia tudo sobre: lula

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG