Tamanho do texto

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva discutiu ontem com líderes aliados do Senado uma proposta para adiar o debate sobre a distribuição dos recursos dos royalties do pré-sal. Em reunião à noite no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Lula orientou os parlamentares da base a buscar apoio das bancadas para a proposta de um projeto em separado sobre o assunto, que seria votado após as eleições.

Ao mesmo tempo, o governo aposta que é possível, no Senado, derrubar a Emenda Ibsen, aprovada na Câmara, que redistribuiu os royalties entre todos os Estados, retirando recursos previstos para os Estados produtores, como Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Após o encontro, o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, relatou que os senadores propuseram desmembrar o projeto mais polêmico, que trata dos royalties e do modelo de partilha de produção.

A pedido do presidente, a base aliada tentará votar em regime de urgência os quatro projetos já existentes que definem o marco regulatório do setor - as propostas de criação da estatal Petro-Sal, a capitalização da Petrobrás, a formação de um Fundo Social e a implantação do modelo de partilha - sem os royalties.

Embate eleitoral. O quinto projeto, que trata dos recursos dos royalties, não teria prazo para ser votado. "É uma alternativa possível separar o modelo de partilha dos royalties", afirmou Padilha. "O debate dos royalties deve ser feito sem a pressão do embate eleitoral, num momento mais propício."
Padilha disse que a emenda apresentada na Câmara pelo deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) provocou um conflito federativo que não existia com a proposta original do governo. Na avaliação do ministro, a emenda causou problemas ao mexer em contratos já firmados e retirar dos Estados produtores recursos relativos aos royalties dos campos de petróleo já em fase de produção. Os dez líderes que participaram da reunião no CCBB avaliaram que, no Senado, é possível derrubar a emenda aprovada pela Câmara.

Durante a reunião, os senadores avaliaram que o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), teve uma atuação política desastrada no processo que culminou com a aprovação da Emenda Ibsen na Câmara.

"O governador exagerou ao fazer a defesa de sua proposta, especialmente porque este ano é um ano eleitoral", disse o senador Osmar Dias (PDT-PR). "O presidente pediu que haja equilíbrio no debate do pré-sal tanto na bancada de apoio ao governo quanto na oposição."
Entendimento. O senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, disse que Lula orientou os representantes dos partidos aliados a conversarem com suas bancadas. "A urgência agora não é saber como será distribuído o dinheiro, mas definir o modelo para garantir as licitações dos blocos do pré-sal", afirmou.

"A ideia não é quebrar o Rio e o Espírito Santo", ressaltou Jucá. "A orientação do presidente Lula é votar os projetos que definem a matriz energética e construir, com o tempo, um entendimento entre os Estados, pois não interessa o conflito."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.